Últimas histórias

  • Sobre ,

    Altas temperaturas podem piorar varizes

    Sabe aquelas veias dilatadas que incomodam e que surgem com mais frequência no calor?! Pois é, são varizes, e que podem piorar o quadro e os sintomas nesse período mais quente. Dor, ardência, inchaço, sensação de peso, coceira, queimação, dormência e cansaço são algumas das queixas mais comuns entre os pacientes.

    As varizes vão além dos fatores estéticos; são veias superficiais dilatadas, sendo mais comuns nos membros inferiores e que apontam problemas de circulação. No verão, devido às altas temperaturas, há piora dos casos, uma vez que o calor provoca a dilatação dos vasos, principalmente em veias e linfáticos.

    Segundo a cirurgiã vascular, Dra. Nara Medeiros (CRM/RN 4887), é possível aproveitar a estação com segurança seguindo algumas dicas. “Evitar o excesso de sal, beber bastante líquido, praticar exercícios físicos, manter as pernas elevadas durante o repouso, evitar muito tempo em pé, preferir horários com temperaturas mais amenas (no início da manhã ou fim de tarde) para caminhadas, estão entre as medidas de precaução”, cita Dra. Nara e acrescenta “as meias de compressão também fazem parte, e requer orientação médica. Elas ajudam bastante na redução dos sintomas e no controle dos desconfortos causados pelas varizes”.

    Segundo estimativas da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), há um aumento de 20% a 30% no número de queixas por esse tipo de problema nas pernas durante o verão. E, embora seja mais comum aparecer em pessoas acima dos 40 anos de idade, a doença também atinge jovens na faixa dos 20 e 30 anos, principalmente aqueles com predisposição genética. “O tipo de trabalho e estilo de vida da pessoa também podem influenciar. Ficar muito tempo na mesma posição, por exemplo, dificulta o retorno do sangue das pernas para o coração, aumentando a pressão venosa”, explica a Dra. Nara Medeiros.

    Para reduzir os riscos, a indicação é se movimentar e manter seu Check-up vascular em dia. Consulte um médico de sua confiança.

  • Sobre

    Canguaretama inicia programa de arborização

    O município de Canguaretama iniciou nesse domingo, 09, um programa de arborização, com plantio e distribuição de mudas. O objetivo, além de embelezara paisagem urbana, é amenizar as altas temperaturas.

    As ruas e praças da cidade receberão uma grande variedade de mudas de Aroeira, Caju, Acerola, Ipê Rosa, Ipe amarelo, Flamboyant mirim, Flamboyant, Caraibeira e Ipê de jardim, que já fazem podem ser encontradas no horto municipal.

  • Sobre

    Dezembro Laranja: cuidados para prevenir o câncer de pele

    A campanha Dezembro Laranja foi criada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia como parte de um movimento para prevenir o câncer de pele no país. De todos os cânceres diagnosticados, o câncer de pele responde por 27%, sendo o mais incidente no Brasil. São aproximadamente 180 mil novos casos do tipo não melanoma por ano.

    Como forma de prevenção, além do uso regular e adequado do filtro solar, as orientações também incluem: uso de roupas com fator de proteção ultravioleta, uso de chapéus, evitar exposição ao sol entre 10h e 16h – quando predominam os raios UVB – e sempre escolher ambientes ao ar livre que ofereçam sombra de forma eficiente. Estas são algumas das recomendações feitas pela dermatologista do Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol-UFRN/Ebserh) Maria do Carmo Palmeira Queiroz.

    A profissional é mais uma das convidadas a participar da cartilha Dicas de Saúde do Huol. Nesta edição, a pauta Cuidados com a pele no Verão ganha destaque. O conteúdo completo da cartilha Dicas de Saúde com o tema pode ser acessado aqui.

    Um dos tumores mais malignos e com potencial risco de disseminação para outros órgãos, o melanoma é responsável por 10% de todos os casos de câncer de pele registrados no Brasil. O tumor pode ter origem a partir de pintas já existentes ou novos sinais. Quando diagnosticado precocemente, pode ter mais de 90% de chance de cura.

  • Sobre ,

    Encontro promovido pela UFRN discute mudanças climáticas no RN

    A Escola de Ciências e Tecnologia (ECT/UFRN), em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação (PPGCTI), promove, no dia 6 de dezembro, às 14h, o Encontro sobre Mudanças Climáticas no RN. O público-alvo são pesquisadores da instituição com trabalhos vinculados às mudanças do clima e suas consequências no âmbito estadual. O evento acontece na modalidade remota e os interessados devem confirmar interesse até o dia 26 de novembro, por meio deste e-mail.

    O encontro é vinculado ao projeto Enfrentamento das Mudanças Climáticas no Rio Grande do Norte — Preâmbulos da Implantação de uma Rede Colaborativa (ECT/PPgCTI), que visa à implantação de uma rede cooperativa capaz de combater as mudanças climáticas no RN, com o apoio de Instituições públicas e privadas do ensino superior. Para isso, a iniciativa traz uma breve apresentação das ações de estudo, ensino e extensão que vem desenvolvendo. O objetivo é estabelecer conexões entre as diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até as exatas, e discutir pontos relevantes para a causa e sua Comissão de Planejamento em 2022.

    As redes colaborativas são formas estratégicas de promover a adaptação face aos novos contextos socioeconômicos, visto que possibilita a transmissão de conhecimentos e o alcance de soluções em prol de uma meta em comum. O projeto considera que o RN carece de um sistema articulado para responder efetivamente às vulnerabilidades associadas aos efeitos do clima. A criação da rede é um passo importante para preencher essa lacuna e exige o levantamento e o mapeamento iniciais de instituições com ações direcionadas ao combate de mudanças extremas da temperatura da terra.

    O monitoramento permite analisar a fragilidade dos municípios abarcados pelas ações e a qualidade dos serviços prestados à sua população. A etapa seguinte consiste no firmamento de contatos e parcerias com as organizações identificadas. Por último, espera-se a formação de uma rede de assistência entre as diversas instituições de ensino do estado que tenham a finalidade de exercer ações diretas e efetivas nas comunidades mais vulneráveis às instabilidades do clima.

  • Sobre

    Bombeiros registram cerca de 13 incêndios por dia no RN

    Altas temperaturas e vegetação seca elevam os números de incêndios florestais e queimadas em todo o Rio Grande do Norte. De acordo com os Relatórios Mensais do Corpo de Bombeiros Militar do RN, foram registrados aproximadamente 13 atendimentos diários envolvendo casos de incêndios florestais apenas na primeira quinzena de setembro. No geral, 188 ocorrências dessa natureza foram atendidas durante o período. 

    “Esses incêndios ocorrem em áreas urbanas e rurais, com um percentual maior na região Oeste e Seridó do Rio Grande do Norte devido à estiagem. A maioria dos sinistros, infelizmente, acontecem em razão da ação humana com a limpeza de terrenos e na preparação do solo para plantações”, disse o Comandante do 1° Grupamento de Bombeiros, major Christiano Couceiro.

    Em caso de necessidade, como os agricultores que preparam seus terrenos, é importante fazer aceiros (faixas ao longo das cercas onde a vegetação foi completamente eliminada da superfície do solo, que tem como finalidade prevenir a passagem do fogo para área de vegetação) e observar qual o melhor tempo e horário. Outra recomendação do CBMRN é que os terrenos baldios sejam mantidos limpos, sem entulhos e se alguém perceber algum foco de incêndio deve entrar em contato imediato com o Corpo de Bombeiros, por meio do telefone 193.

    Lei

    O Código Florestal Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, no Capítulo IX “DA PROIBIÇÃO DO USO DE FOGO E DO CONTROLE DOS INCÊNDIOS”, Art. 38 define que: Art. 38. É proibido o uso de fogo na vegetação, exceto nas seguintes situações: I – em locais ou regiões cujas peculiaridades justifiquem o emprego do fogo em práticas agropastoris ou florestais, mediante prévia aprovação do órgão estadual ambiental competente do Sisnama, para cada imóvel rural ou de forma regionalizada, que estabelecerá os critérios de monitoramento e controle.

    Canais de Denúncia para Infrações e Crimes

    Ambientais – 0800.281.1975

    Incêndios – 193

    Denúncias – 190