Últimas histórias

  • Sobre , , ,

    11ª Mostra de Cinema de Gostoso abre inscrições para filmes a partir desta quinta-feira

    A partir desta quinta-feira (27), a 11ª Mostra de Cinema de Gostoso abre inscrições para filmes de todos os gêneros (obras ficcionais, não ficcionais e animações, exceto videoclipes) desde que tenham sido produzidos no Brasil e finalizados a partir de 2023.

    O evento, que acontece de 22 a 26 de novembro, em São Miguel do Gostoso-RN, é uma realização da Heco Produções, do CDHEC – Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania, e da Guajiru Produções. Direção geral de Eugenio Puppo e Matheus Sundfeld. As inscrições são gratuitas e estão disponíveis pelo site do festival –  www.mostradecinemadegostoso.com.br –  até 25 de agosto.

    Em sua primeira década de existência, a Mostra de Cinema de Gostoso se consolidou como um evento único no Brasil. Com duas salas de cinema construídas ao ar livre, e alta qualidade de som e imagem, instaladas em meio à exuberante natureza da praia de São Miguel do Gostoso, lançamentos cinematográficos brasileiros são exibidos gratuitamente ao público, unindo alta qualidade artística e temas de relevância social para a atualidade.

    Em 2024, a Mostra se prepara para realizar sua décima primeira edição, com muitas novidades a serem anunciadas, consolidando sua trajetória junto à cidade e à população de São Miguel do Gostoso. O palco principal da mostra é a sala ao ar livre montada na Praia do Maceió, onde acontecem as sessões da Mostra Competitiva. Com 650 cadeiras espreguiçadeiras, tela de 12m x 6,5m, projeção com resolução 2K e 4K e som 7.1, a sala de cinema ao ar livre montada na praia, propicia uma imersão de uma sala de cinema de alta tecnologia. Além disso, acontece uma programação paralela de filmes em uma tenda climatizada em formato geodésico com capacidade para 130 lugares, também instalada na praia.

    A 11ª Mostra de Cinema de Gostoso acontece de 22 a 26 de novembro, e ao longo desses dias o público poderá assistir aos mais recentes lançamentos cinematográficos brasileiros. No total, serão mais de 30 filmes, entre as mostras Competitiva, Panorama e Sessões Especiais. Os filmes da Mostra Competitiva concorrem ao Prêmio do Público, concedido pelo voto popular ao melhor curta e longa-metragem. Também será concedido o Prêmio da Crítica, a partir da votação de jornalistas e críticos de cinema presentes na Mostra.

    Diariamente ocorrem debates com cineastas, atores e atrizes, que tiveram seus filmes exibidos e seminários com profissionais do audiovisual. Toda a programação é gratuita.

    Cursos de Formação

    Meses antes do início da mostra, acontecem cursos de formação técnica e audiovisual à população de São Miguel do Gostoso. Desde sua primeira edição, o projeto oferece aos jovens do município uma série de cursos de formação técnica e audiovisual objetivando proporcionar a eles o domínio de toda a cadeia da produção cinematográfica. Desde conhecimentos teóricos a práticos, abordando temas como história do cinema, linguagem audiovisual, roteiro, produção e fotografia. O conhecimento adquirido pelos alunos é colocado em prática com a realização de curtas-metragens, que são exibidos na ampla sala de cinema montada na Praia do Maceió durante a Mostra de Cinema de Gostoso. Por fim, os alunos participam diretamente da equipe de organização da Mostra. 

    Desde 2013, 153 alunos se formaram nos cursos, resultando na realização de 25 curtas-metragens e 56 oficinas. Muitos desses alunos se encontram cursando ensino técnico/superior e trabalhando com audiovisual e outras áreas. Os curtas produzidos por eles têm proporcionado, a esse grupo de jovens, uma visibilidade em âmbito nacional e internacional, tendo sido exibidos em dezenas de festivais de cinema e comercializados para canais de TV aberta e a cabo.

    Em 2024, os alunos participarão das oficinas de Linguagem Audiovisual, Roteiro, Direção de Arte, Realização Audiovisual e Edição de Imagem.

    O projeto tem conquistado espaço como um modelo nacional para políticas públicas culturais, atuando ao longo de toda a cadeia cinematográfica – da formação profissional à exibição de filmes —, ao mesmo tempo que difunde o cinema brasileiro e promove a integração da comunidade ao seu redor.

    A Mostra de Cinema de Gostoso conta com o apoio do Governo do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Governo do Rio Grande do Norte – Secretaria de Turismo, Visite RN, Emprotur e Prefeitura Municipal de São Miguel do Gostoso.

    Site Oficial – Inscrições: mostradecinemadegostoso.com.br

    Facebook: Mostra de Cinema de Gostoso

    Instagram: @mostradecinemadegostoso

    YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCZkBwY-vwvfWxqLPDyVt2xA

    Site Heco Produções: www.heco.com.br

    Sobre São Miguel do Gostoso (RN)

    Localizada a uma hora de Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte, São Miguel do Gostoso possui cerca de 10 mil habitantes, lindas praias e localização geográfica privilegiada. Situada na chamada “esquina do Brasil”, a cidade é internacionalmente conhecida por seus fortes ventos, atraindo muitos turistas interessados na prática de esportes como kitesurf e windsurf. Com isso, a pacata vila de pescadores vem se tornando um dos principais pontos turísticos do Nordeste, apresentando um elevado crescimento no número de pousadas e de estabelecimentos gastronômicos.

    A cidade tem sido constantemente destaque entre conceituados veículos de mídia nacional e estrangeira como um dos melhores e mais atraentes destinos turísticos do mundo. Em matéria do jornal britânico Daily Telegraph, São Miguel do Gostoso surge entre praias da Malásia, África do Sul e Barbados como um dos melhores lugares do mundo para se viver.

    No suplemento “O melhor do Brasil” da revista Veja, a cidade foi escolhida como o melhor dos “novos destinos” da região nordeste. Já o jornal Valor Econômico publicou ampla reportagem sobre São Miguel do Gostoso, citando a cidade como um paraíso pacato, autêntico e com muito charme.   

  • Sobre , ,

    Eleições 2024: o que vem pela frente

    *Por Wilson Pedroso
    Em outubro de 2024, os brasileiros retornarão às urnas, desta vez para eleger prefeito, vice-prefeito e vereadores de seus municípios. No total, mais de 5,5 mil cidades brasileiras vão definir novos mandatos para o Poder Executivo e para cerca de 58 mil cadeiras existentes nas câmaras municipais do país.
    Faltando menos de quatro meses para o dia do pleito, será que os brasileiros sabem o que vem pela frente? Conhecem as principais regras e datas a serem seguidas? Provavelmente, para a grande maioria da população, a resposta para essas perguntas é não.
    Por esse motivo, neste artigo, elenco os principais pontos a que o eleitor deve estar atento, com base no Calendário Eleitoral de 2024, estabelecido pela Resolução nº 23.738/2024,.
    O primeiro deles é o período para a realização das convenções, quando partidos e federações vão escolher quem são as candidatas e candidatos que participarão da campanha e concorrerão pelos votos do eleitorado. Os eventos devem ser realizados entre 20 de julho e 5 de agosto e as agremiações terão prazo até 15 de agosto para apresentar a lista com os nomes à Justiça Eleitoral.
    Logo em seguida, no dia 16 de agosto, será iniciada a campanha de fato, com autorização para distribuição das propagandas eleitorais, que podem ocorrer em ambientes físico e virtual. Também estará liberada a divulgação dos números dos candidatos e o pedido de votos. Até essa data, os pretensos concorrentes só podem se apresentar como pré-candidatos.
    A propaganda gratuita no rádio e na TV será exibida entre os dias 30 de agosto e 3 de outubro, uma quinta-feira. Já a partir do dia 21 de setembro, candidatas e candidatos não poderão ser presos, salvo no caso de flagrante delito. 
    O primeiro turno vai ocorrer no dia 6 de outubro. Logo após o encerramento da votação, a Justiça Eleitoral iniciará a apuração dos votos dos152 milhões de eleitoras e eleitores brasileiros e a expectativa é de que, em poucas horas, já sejam divulgados os nomes de todos os vereadores eleitos no país e dos prefeitos e vices das cidades com menos de 200 mil habitantes. Em municípios maiores, se houver necessidade, será realizado o segundo turno no último domingo do mês, que neste ano cai no dia 27.
    Conhecer normas, prazos e datas do período eleitoral, é fundamental para que os eleitores exerçam o direito à cidadania. Informação é arma poderosa para a escolha dos candidatos e para a Democracia.
    *Wilson Pedroso é consultor eleitoral e analista político com MBA nas áreas de Gestão e Marketing
  • Sobre , ,

    Quadrilha junina é reconhecida como manifestação da cultura nacional

    Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

    Nessa segunda-feira (24), Dia de São João, a quadrilha junina foi reconhecida como manifestação da cultura nacional. A Lei Nº 14.900/2024, que torna oficial a decisão, foi assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela ministra da Cultura, Margareth Menezes, e publicada no Diário Oficial da União (DOU).

    Com a sanção presidencial, o estilo de dança passa a integrar o grupo que inclui também as escolas de samba, o forró e as festas juninas.

    “O reconhecimento contribui para o fortalecimento da nossa identidade cultural, além de valorizar essa dança tradicional presente nas festas juninas promovidas no país”, comentou a ministra Margareth Menezes.

    O diretor de Promoção das Culturas Populares da Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural (SCDC) do Ministério da Cultura (MinC), Tião Soares, destaca o papel do bailado. “As quadrilhas juninas são importantes manifestações das culturas populares e tradicionais do Brasil, elas representam alta relevância de nosso patrimônio cultural nacional, pois resgatam tradições, reconhecem, valorizam e fortalecem identidades regionais, nacionais e promovem a inclusão social através da participação coletiva, característica peculiar das festas populares do Brasil”.

    Para o vice-presidente da Federação de Quadrilhas Juninas de Pernambuco (Fequajupe), Jadenilson Gomes, a sanção da Lei é uma grande conquista. “Esse reconhecimento pelo poder público abre portas para a gente, que vive na batalha”, comemorou ele, que integra a quadrilha Mandacaru, do município de Limoeiro.

    Origem

    A quadrilha junina desembarcou no país com a corte portuguesa, no começo do século 19. Tem origem no quadrille, dança de salão composta por quatro casais, nascida na Paris do século 18 e pertencente a integrantes da elite. No Brasil, tornou-se popular junto aos aristocratas.

    Na sequência conquistou a população e passou a incluir elementos culturais, religiosos e folclóricos nacionais. Durante este processo, o número de pares cresceu. Além disso, os passos e ritmos franceses foram postos de lado, e as músicas e o casamento caipira, que precede a dança, foram incorporadas.

    Desde então, as quadrilhas adquiriram importância social, econômica e turística para vários municípios, sobretudo no Nordeste.

    Este ano, em Campina Grande, na Paraíba, cidade famosa por promover uma das maiores festas de São João do Brasil, foi estabelecido, novamente, um recorde. A dança reuniu 1.280 pares, obtendo o 10º título consecutivo de maior quadrilha junina do país.

  • Sobre ,

    Manifestantes vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio

    Manifestantes realizaram atos nessa quinta-feira (13) em diversas cidades do país, como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, contra o projeto de lei que equipara o aborto a homicídio, e argumentam que a aprovação da proposta, que tramita na Câmara dos Deputados, vai colocar em risco a vida de milhares de brasileiras, especialmente meninas, que são as principais vítimas da violência sexual no país, além de desrespeitar os direitos das mulheres já previstos em lei. 

    O Projeto de Lei 1904/24 prevê que o aborto realizado acima de 22 semanas de gestação, em qualquer situação, passará a ser considerado homicídio, inclusive no caso de gravidez resultante de estupro. A pena será de seis a 20 anos para mulher que fizer o procedimento.

    Rio de Janeiro (RJ) 13/06/2024 – Manifestação de protesto contra o PL 1904/24, que equipara aborto a homicídio, com pena de até 20 anos, reúne mulheres na Cinelândia. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
    Rio de Janeiro (RJ) – Protesto contra o PL 1904/24 reuniu mulheres na Cinelândia. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

    Atualmente, a legislação permite o aborto ou a interrupção de gravidez em casos em que a gestação decorre de estupro, coloca em risco a vida da mãe e de bebês anencefálicos. Não está previsto um tempo máximo da gestação para que seja realizado. Na legislação atual, o aborto é punido com penas que variam de um a três anos de prisão, quando provocado pela gestante; de um a quatro anos, quando médico ou outra pessoa provoque um aborto com o consentimento da gestante; e de três a dez anos, para quem provocar o aborto sem o aval da mulher. 

    Na noite de quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados aprovou urgência para a votação do projeto de lei, ou seja, o texto pode ser votado diretamente no plenário sem passar por discussão nas comissões. 

    Em São Paulo, o protesto foi realizado na Avenida Paulista, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), sob gritos de “Criança não é mãe”, “Respeitem as mulheres” e “Fora Lira” [Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados].

    São Paulo (SP) 13/06/2024 - Ato na Avenida Paulista contra o PL 1904, que criminaliza o aborto. 

Foto: Paulo Pinto/Agencia Brasil
    São Paulo (SP) – Manifestantes dizem que projeto coloca em risco crianças e adolescentes. Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil

    Para as manifestantes, a aprovação da proposta vai afetar principalmente as crianças, cujos casos de abuso sexual e gestações demoram a ser identificados, resultando em busca tardia aos serviços de aborto legal. De acordo com dados do Fórum de Segurança Pública, 74.930 pessoas foram estupradas no Brasil em 2022. Desse total, 61,4% eram crianças com até 13 anos de idade.

    “Esse projeto de lei é totalmente inconstitucional, uma vez que ele coloca em risco milhões de meninas que serão obrigadas a serem mães dos filhos de seus estupradores e mulheres que serão obrigadas a levar uma gestação sendo vítima de violência sexual”, disse Rebeca Mendes, advogada e diretora-executiva do Projeto Vivas – entidade que atua junto a mulheres que necessitam de acesso ao aborto legal, em entrevista à Agência Brasil.

    Outra crítica é que se o projeto de lei for aprovado, a pena para as mulheres vítimas de estupro será maior do que a dos estupradores, já que a punição para o crime de estupro é de 10 anos de prisão, e as mulheres que abortarem, conforme o projeto, podem ser condenadas a até 20 anos de prisão. “Esse PL protege o estuprador, não a vítima. E isso diz muito sobre a nossa sociedade”, acrescentou. 

    Quem também participou do ato na Avenida Paulista foi Jennyffer Tupinambá, uma mulher indígena do povo Tupinambá de Olivença e que sofreu violência sexual quando criança. “”Estou aqui na Paulista muito emocionada. Fui vítima de violência sexual na primeira infância, entre os 3 e 11 anos, e poderia ter engravidado. Olho isso hoje sabendo que nossos representantes iriam me forçar a ter um filho de um estuprador. Esse é um trauma que até hoje, aos 40 anos, tento superar. E não há superação. Como é que uma vítima, que está totalmente abalada e traumatizada, poderia ser mãe?”, questionou ela. “É inadmissível que hoje o Brasil esteja aceitando isso e que deputados estejam direcionando o que o nosso povo deve fazer”, ressaltou.

    No ato, houve críticas ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), por ter colocado o projeto de lei em votação. “Hoje estamos aqui contra o absurdo que foi feito pelo presidente [da Câmara dos Deputados] Arthur Lira, onde ele, em 23 segundos, conseguiu colocar em risco milhões de meninas e mulheres que são vítimas de violência sexual. Nossos direitos foram barganhados em 23 segundos ontem no Congresso Nacional”, disse Rebeca Mendes.

    Brasília (DF) 13/06/2024 – Ato contra o PL da Gravidez Infantil no Museu Nacional.
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
    Brasília (DF) – Ato contra o projeto de lei foi realizado na Esplanada dos Ministérios. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

    Na Câmara, Lira afirmou que o projeto foi colocado em votação para ser apreciado em regime de urgência após acordo entre os líderes partidários. 

    Em maio deste ano, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que proibia a utilização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez. O procedimento é usado pela medicina nos casos de abortos previstos em lei, como o caso de estupro.

    Agência Brasil

  • Sobre , ,

    Inscrições abertas para o concurso fotográfico “Belezas Naturais do Nordeste”

    Foi iniciado o período de inscrições para o concurso fotográfico “Nossos Retratos”, promovido pela Central Sicredi Nordeste em todos os estados da região. O concurso, que neste ano tem como tema “Belezas Naturais do Nordeste”, segue com inscrições abertas no site até o dia 12 de julho.

    A edição de 2024 marca os 18 anos de realização do concurso. E é precisamente para valorizar as riquezas naturais da região que a cooperativa convida todos os seus associados a enviarem imagens de praias, jardins, cachoeiras, rios, parques naturais, paisagens com animais típicos da região, nascer e pôr do sol e outras que entendam representar as belezas naturais do Nordeste.

    “O Concurso Fotográfico é uma promoção cultural destinada a todos os associados Sicredi da nossa região. É uma ação que reforça nosso compromisso de valorização e relacionamento com quem tem o Sicredi como sua instituição financeira”, explica Jackmary Borges, Coordenadora de Comunicação e Marketing da Central Sicredi Nordeste.

    Pode participar do concurso qualquer pessoa com mais de 18 anos associada a uma das cooperativas do Sicredi descritas no Regulamento. Os interessados devem enviar imagens que retratem os cenários naturais de seu estado, como as praias que banham o litoral nordestino, assim como outras belezas naturais da região.

    Premiação

    Os três primeiros colocados no concurso, que serão escolhidos por uma comissão julgadora formada por três fotógrafos profissionais, serão contemplados com prêmios: um iPhone 15 Pro Max 128GB para o 1º colocado, um Notebook Dell Inspirion 15 para o 2º e um Galaxy Tab S9 FE + para o 3º lugar.

    “Além dos prêmios para os primeiros colocados, nós contemplamos todos os autores das 24 fotos vencedoras no Concurso com troféus personalizados e proporcionamos a eles que suas fotografias sejam impressas no nosso calendário regional do ano subsequente, que possui uma tiragem de mais de 210 mil unidades distribuídas nos 9 estados do Nordeste”, acrescenta Jackmary Borges.

    Sobre o Sicredi

    O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento de seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Possui um modelo de gestão que valoriza a participação dos mais de 7,5 milhões de associados, que exercem o papel de donos do negócio. Com foco no desenvolvimento regional, a Central atende, suporta e apoia as cooperativas filiadas nos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. Com mais de 2.700 agências em todo o país, o Sicredi está presente fisicamente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, disponibilizando uma gama completa de soluções financeiras e não financeiras.

  • Sobre , , ,

    Pianista potiguar vence categoria principal do Concurso Edna Bassetti Habith

    A etapa final de um dos concursos de piano mais tradicionais do país conheceu seus vencedores no último final de semana em Curitiba. A competição reuniu 39 jovens pianistas de doze estados brasileiros. O processo de seleção da 14ª edição do Concurso de Piano Professora Edna Bassetti Habith contou com a participação de mais de sessenta estudantes do Brasil e de países da América Latina. Sob a avaliação dos jurados Roberto Domingos, Danieli Longo e Jeferson Ulbrich, candidatos divididos nas categorias 07 a 10 anos, 11 a 14 anos, 15 a 18 anos e 19 a 27 anos se apresentaram na Capela Santa Maria.

    Na categoria principal, de 19 a 27 anos, o vencedor foi Mateus Naamã Bezerra Duarte, 19 anos. Em sua audição, o potiguar de Parnamirim tocou obras de Johann Sebastian Bach, Wolfgang Amadeus Mozart, Frédéric Chopin e do compositor brasileiro, homenageado nesta edição, Edino Krieger. Além do prêmio em dinheiro no valor de R$4 mil, Mateus Naamã Bezerra Duarte ganhou uma bolsa de estudos na Universidade de Música de Karlsruhe, na Alemanha.

    Na categoria 07 a 10 o vencedor foi Bento Camelo Lima Barros, de Maceió (AL), na faixa de 11 a 14 anos o primeiro lugar ficou com o curitibano Inácio Wildt e Patrícia Naomi Prestes Yamazaki, de Porto Velho (RO) venceu a categoria de 15 a 18 anos. Confira abaixo a relação completa dos premiados na 14ª edição do Concurso de Piano Professora Edna Bassetti Habith.

    Sobre Edna Bassetti Habith (1948-2002) – Foi professora de piano e órgão, durante 28 anos, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), dedicando seu talento à missão de ensinar. Natural de Curitiba, era filha do casal Waldemiro-Almelinda Bassetti. Estudou no Colégio Nossa Senhora de Lourdes (Cajuru) onde concluiu o curso de Normalista em 1967. Em paralelo, recebeu as primeiras lições de piano com a Professora Glacy Gotardello e ingressou no curso fundamental da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (1959), concluindo o mesmo como aluna da classe da professora Ingrid Seraphim. 

    Realização, apoios e patrocínio – Com apoio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC),  Habith-se, escolas de música Duettom e Paideia, Embap, Unespar e Hotéis Mabu, o concurso é uma realização da Unicultura e Trento Edições. O projeto foi viabilizado pelo Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba com patrocínio da Unimed Curitiba, Instituto Unimed Curitiba, Unimed Laboratório, Timber e Rodoparana.

    Pianistas premiados na 14ª edição do Concurso de Piano Professora Edna Bassetti Habith

    Categoria 7 a 10 anos

    1° lugar: Bento Camelo Lima Barros

    2° lugar: Joaquim Eleoterio Buschinelli

    3° lugar: Gustavo G. D. Zamboni

    Menção Honrosa: Gustavo Moniz Gerniski Madruga

    Melhor intérprete de obra de Compositor Homenageado, Edino Krieger: Bento Camelo Lima Barros

    Categoria 11 a 14 anos

    1° lugar: Inácio Wildt

    2° lugar: Gabriel de Faria Beck

    3° lugar: Mateus Schlickmann Philippi

    Menção Honrosa: Lucas Dias Canha

    Prêmio Revelação: Gabriel Motta Dabrowa Kostecki Nunes

    Melhor intérprete de obra de Compositor Homenageado, Edino Krieger: Inácio Wildt

    Prêmio Leilah Paiva – Melhor intérprete de música brasileira: Gabriel de Faria Beck

    Categoria 15 a 18 anos

    1° lugar: Patrícia Naomi Prestes Yamazaki

    2° lugar: Paulo Arnaldo Colturato Duarte

    3° lugar: Arthur Dante

    Menção Honrosa: Mauricio Sebastián Otárola Tasaico Adrianzén

    Prêmio Revelação: Gregório Espíndola da Silva

    Prêmio Leilah Paiva – Melhor intérprete de música brasileira: Lorenzo Rambo dos Santos

    Melhor intérprete de Bach: Théo Siqueira de Proença Singh

    Melhor intérprete de obra de Compositor Homenageado, Edino Krieger: Patrícia Naomi Prestes Yamazaki

    Categoria 19 a 27 anos

    1° lugar: Mateus Naamã Bezerra Duarte

    2° lugar: Mateus Restani Furtado

    3° lugar: Giovanna Beatriz Sanches Costa

    Menção Honrosa: Daniel Fernandes Carvalho Rocha e Diogo Nunes Ferreira

    Prêmio Leilah Paiva – Melhor intérprete de música brasileira: Jennifer Alexandra Gomes Rodrigues Pereira

    Melhor intérprete de obra de Compositor Homenageado, Edino Krieger: Mateus Naamã Bezerra Duarte

    Melhor intérprete de Sonata Clássica: Mateus Naamã Bezerra Duarte

  • Sobre , , ,

    Natal recebe 49º CBAC – Congresso Brasileiro de Análises Clínicas neste mês de junho

    A capital potiguar se prepara para receber, no período de 16 a 19 de junho, o 49º CBAC – Congresso Brasileiro de Análises Clínicas. O evento reunirá profissionais do diagnóstico laboratorial de todo o País e da América Latina para uma imersão em inovação tecnológica, conhecimento científico aplicado às análises clínicas e debates sobre desafios e oportunidades do setor. A expectativa é que três mil pessoas passem pelo Centro de Convenções de Natal, ao longo de todo o encontro, entre farmacêuticos, biomédicos, biólogos, enfermeiros, gestores de laboratório, representantes de associações da área e autoridades públicas.

    Serão quatro dias intensos de programação científica, abordando todas as grandes especialidades e metodologias das análises clínicas, incluindo conferências, seminários, painéis, sessão interativa, atividades paralelas, além de espaço para os trabalhos científicos e Curso PNCQ Gestor, voltado aos princípios do Programa Nacional de Controle de Qualidade. Outro importante momento será uma mesa redonda com participação de representantes da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), do Conselho Regional de Farmácia e de associações do setor de diagnóstico laboratorial para alinhamento e adequação dos laboratórios à RDC 786/2023.

    As inscrições para o 49º CBAC – Congresso Brasileiro de Análises Clínicas devem ser realizadas no site oficial do evento, onde também está disponível toda a programação da exposição científica e cursos ofertados. Acesse: https://www.sbac.org.br/cbac/

  • Sobre , ,

    Ministério do Meio Ambiente vai ampliar áreas de conservação da caatinga

    Foto: Gabriel Carvalho

    O Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) anunciou a seleção de 12 projetos prioritários para a criação de unidades de conservação federais no bioma Caatinga, a serem implantadas até 2026, que resultarão no aumento de mais de um milhão de hectares das áreas protegidas.

    Encontram-se em andamento as ampliações do Parque Nacional da Serra das Confusões, no Piauí; da Floresta Nacional de Açu, no Rio Grande do Norte; e do Refúgio da Vida Silvestre do Soldadinho-do-Arararipe, no Ceará.

    “Os estudos da ciência estão nos mostrando que já temos uma ampliação das áreas que eram semiáridas e que estão ficando áridas. Isso é mudança do clima. Se a gente ‘descaatinga’ a Caatinga, a gente agrava o problema”, alertou a ministra do MMA, Marina Silva.

    O anúncio foi feito em Petrolina, Pernambuco, nessa segunda-feira (10), durante o lançamento da campanha Terra, Floresta, Água – Movimento Nacional de Enfrentamento à Desertificação e à Seca.

    As iniciativas integram a Missão Climática pela Caatinga, que reuniu governos federal e locais, além da participação do secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, Ibrahim Thiaw, no enfrentamento aos efeitos da mudança climática na Caatinga presente em 12% do território do país.

    Segundo dados do MMA, a desertificação atinge 13% do semiárido brasileiro. São regiões onde a atividade humana e as variações climáticas determinaram a perda total da biodiversidade, da capacidade de oferecer serviços ecossistêmicos e até da capacidade produtiva do solo para segurança alimentar.

    Localizada integralmente no semiárido, a Caatinga só existe no Brasil e abriga uma biodiversidade única, com grande número de espécies endêmicas, que só ocorrem no bioma. Essas características – somadas ao fato de ter 60% de seu território ocupado por populações – fazem com que a vegetação nativa dessa região seja a mais suscetível às mudanças climáticas, segundo indicou o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Desde 2015, o Brasil tem uma Política Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca, criada pela lei nº13.153, mas nos últimos anos o desmatamento da Caatinga avançou, segundo aponta o Relatório Anual do Desmatamento da Mapbiomas. Em 2023, por exemplo, mais de um quinto dos alertas de desmatamento em todo o Brasil foram no bioma.

    Ao todo, foram desmatados 201.687 hectares de Caatinga, com um aumento de 43,3% em relação a 2022. Os estados da Bahia, Ceará e Rio Grande do Norte lideraram o crescimento dos alertas de desmatamento na região, mas 87% dos municípios no bioma registraram pelo menos um evento.

    Projetos

    Durante a Missão Caatinga foram anunciados o Projeto Conecta Caatinga, para promover a gestão integrada da paisagem no bioma, por meio de ações de recuperação da vegetação nativa e dos corpos hídricos, estimulando o desenvolvimento de uma sociobioeconomia de baixo carbono e conectando a vegetação entras as áreas protegidas. Serão investidos R$ 30,2 milhões do Fundo Global para o Meio Ambiente (Global Environment Facility – GEF).

    O Projeto Arca: áreas protegidas da Caatinga é outra iniciativa para a proteção do bioma por meio da expansão e consolidação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc), com envolvimento das comunidades locais visando a elaboração de planos de manejo das áreas de preservação nos estados da Bahia, Pernambuco e Piauí, os mais desmatados no último ano. Os investimentos de R$ 50 milhões já foram aprovados pelo Fundo do Marco Global pela Biodiversidade.

    Lançamentos

    Também foi anunciada a criação da Rede de Pesquisadores e Pesquisadoras Sobre a Desertificação e Seca para apoiar a implementação da política pública nacional, acolhendo as principais evidências científicas no apoio à tomada de decisão de gestores no enfrentamento à emergência climática.

    Cientistas poderão participar fazendo a inscrição no site do MMA, até o dia 10 de julho. Houve ainda o lançamento do livro Manejo Florestal da Caatinga – 40 anos de experimentação.

    Com informações da Agência Brasil

  • Sobre , ,

    Enem 2024: prazo para inscrições termina nesta sexta-feira (14)

    Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O Ministério da Educação pede aos candidatos que fiquem atentos ao cronograma que foi alterado de forma a garantir a participação dos estudantes do Rio Grande do Sul, prejudicados pelas enchentes que, desde o final de abril, atingem o estado.

    Para se inscrever, os estudantes devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro na conta gov.br. A taxa de inscrição é de R$ 85, e deve ser paga até 19 de junho. O Inep aplicará as provas em 3 e 10 de novembro, nas 27 unidades federativas.

    De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), as solicitações de atendimento especializado e tratamento por nome social também vão até 14 de junho.

    “Com essa decisão, nós queremos ampliar ainda mais as oportunidades para que os jovens façam o Enem, que é a porta de entrada para a graduação. Estudantes do Rio Grande do Sul e de todo o Brasil agora têm mais uma semana para se inscrever, pela Página do Participante. Quem está concluindo o ensino médio em escola pública não paga taxa de inscrição”, informou, por meio de nota, o ministro da Educação, Camilo Santana.

    O Ministério da Educação divulgou balanço contabilizando que praticamente 100% dos concluintes do ensino médio da rede pública estão inscritos no Enem em estados como Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

    No Rio Grande do Sul, embora a rede de ensino ainda esteja em recuperação das enchentes, mais de 70% dos formandos da rede pública estão inscritos, segundo o MEC.

    Com informações da Agência Brasil

  • Sobre , , ,

    Senado retoma debate de PEC que pode privatizar praias em todo o país

    O Senado volta a discutir nesta segunda-feira (27) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/2022 que transfere a propriedade dos terrenos do litoral brasileiro, hoje sob o domínio da Marinha, para estados, municípios e proprietários privados. Aprovado em fevereiro de 2022 na Câmara dos Deputados, a PEC estava parada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado desde agosto de 2023.

    Uma audiência pública discute hoje o tema, que está sob a relatoria do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e enfrenta resistência da base governista. Organizações ambientalistas alertam que a proposta traz o risco de privatização das praias por empreendimentos privados e pode comprometer a biodiversidade do litoral brasileiro.

    Foto: Tânia Rêgo

    Além das praias, a Marinha detém a propriedade de margens de rios e lagoas onde há a influência das marés.

    De acordo com o Observatório do Clima, “esse é mais um projeto do Pacote da Destruição prestes a ser votado. Isso põe em risco todo o nosso litoral, a segurança nacional, a economia das comunidades costeiras e nossa adaptação às mudanças climáticas”.

    Para o grupo que reúne diversas entidades de defesa do clima e do meio ambiente, os terrenos da Marinha são guardiões naturais contra enchentes, deslizamentos e eventos climáticos extremos.

    “Essa defesa é essencial para a nossa segurança e resiliência. Essas áreas preservam nossa biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas costeiros. Privatização pode trazer danos irreversíveis”, afirmou o Observatório, em nota.

    A PEC exclui o inciso VII do artigo 20 da Constituição, que afirma que os terrenos da Marinha são de propriedade da União, transferindo gratuitamente para os estados e municípios “as áreas afetadas ao serviço público estadual e municipal, inclusive as destinadas à utilização por concessionárias e permissionárias de serviços públicos”.

    Para os proprietários privados, o texto prevê a transferência mediante pagamento para aqueles inscritos regularmente “no órgão de gestão do patrimônio da União até a data de publicação” da Emenda à Constituição. Além disso, autoriza a transferência da propriedade para ocupantes “não inscritos”, “desde que a ocupação tenha ocorrido pelo menos cinco anos antes da data de publicação” da PEC.

    Ainda segundo o relatório, permanecem como propriedade da União as áreas hoje usadas pelo serviço público federal, as unidades ambientais federais e as áreas ainda não ocupadas.

    MMA

    Em entrevista hoje à Rádio Nacional, a diretora do Departamento de Oceano e Gestão Costeira do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ana Paula Prates, defendeu que esses terrenos, hoje com a União, funcionam como proteção contra as mudanças climáticas. 

    “Acabar com essa figura é um retrocesso enorme. A PEC termina com essa figura dos terrenos de Marinha, que são terrenos da União, e passa gratuitamente para estados e municípios, para poder, inclusive, privatizar essas áreas”, disse.

    A representante do MMA acrescentou que a PEC não privatiza diretamente as praias, mas pode levar ao fechamento dos acessos às áreas de areia. “Na hora em que esses terrenos todos que ficam após as praias forem privatizados, você começa a ter uma privatização do acesso a elas, que são bens comuns da sociedade brasileira”.]

    Defesa

    O senador Flávio Bolsonaro defende, em seu relatório, que a mudança é necessária para regularizar as propriedades localizadas nos terrenos da Marinha. “Há, no Brasil, inúmeras edificações realizadas sem a ciência de estarem localizadas em terrenos de propriedade da União”.

    Segundo Flávio, “os terrenos de marinha causam prejuízos aos cidadãos e aos municípios. O cidadão tem que pagar tributação exagerada sobre os imóveis em que vivem: pagam foro, taxa de ocupação e IPTU. Já os municípios, sofrem restrições ao desenvolvimento de políticas públicas quanto ao planejamento territorial urbano em razão das restrições de uso dos bens sob domínio da União”.

    O senador fluminense argumenta ainda que a origem do atual domínio da Marinha sobre as praias foi justificada pela necessidade de defesa do território contra invasão estrangeira, motivo que não mais existiria, na visão do parlamentar.

    “Atualmente, essas razões não estão mais presentes, notadamente diante dos avanços tecnológicos dos armamentos que mudaram os conceitos de defesa territorial”, disse no parecer da PEC.

    Agência Brasil

  • Sobre , , , ,

    46% dos brasileiros destinam dinheiro para shows e festivais de música, revela pesquisa da Serasa

    Bruno Mars, Iron Maiden, Twenty One Pilots são alguns dos grandes nomes da música internacional que retornam ao Brasil nos próximos meses e estão contribuindo para uma mudança no cenário de shows do país. Para investigar esse ciclo de anúncios que movimenta a economia e mobiliza multidões de fãs, a Serasa traçou uma radiografia financeira inédita sobre o universo de shows e festivais, considerando os principais gastos e planejamentos para os eventos de música.

    Segundo o estudo, realizado em parceria com o instituto Opinion Box, 62% dos brasileiros têm o costume de ir, pelo menos uma vez ao ano, em concertos de artistas nacionais e 27% se programam para ir a shows internacionais.

    Em relação ao planejamento financeiro, 56% dos consumidores que vão a shows sempre se planejam com antecedência, e 46% costumam poupar ou investir algum dinheiro para destinar a esses gastos. Entretanto, 6 em cada 10 pessoas tem o hábito de comprar os ingressos menos de um mês antes do show acontecer. 

    “Temos acompanhado um volume significativo de artistas e bandas retornando aos palcos depois da pandemia e, paralelo aos anúncios, novos gastos dos fãs que se encontram cada vez mais ansiosos para participar desses reencontros”, explica Clara Aguiar, especialista em educação financeira da Serasa. “Dessa forma, a quem gosta de frequentar esses eventos, o ideal seria já reservar uma parcela do orçamento a esse tipo de realização para não ser surpreendido ou agir por impulsos”.

    Principais gastos com shows e festivais

    De acordo com o levantamento, 7 em cada 10 entrevistados afirmam que o maior valor já pago para assistir a um show foi de até R$300. Da mesma forma, outros 70% dizem que não pagariam mais do que esse valor em um ingresso. 

    Durante a realização do evento, os gastos mais comuns são com alimentação e bebidas (68%), em uma média de até R$200 por concerto. Em relação a shows em cidades distantes e que envolvem longos deslocamentos, os principais gastos para quem precisa viajar são relacionados a alimentação fora do show, hospedagem e gasolina, totalizando uma média de até R$1.000 por pessoa.

    Oportunidades de crédito para shows e festivais

    No momento da compra do ingresso, o cartão de crédito é a principal forma de pagamento preferida pelos consumidores (48%), seguido pela transferência via Pix. Entre quem compra com o cartão, 59% revelam parcelar apenas se encontrar opções sem juros nas plataformas de venda.

    imagem

    “O parcelamento pode ser uma boa ferramenta de organização financeira, quando adotado com planejamento e consciência”, afirma Clara. “Dessa forma, para evitar aquela bola de neve ao se enrolar com as várias parcelas, o consumidor pode utilizar uma planilha para anotar todos os gastos – com shows e outros segmentos -, e organizar os valores ao longo dos meses”.  

    Abrigando diversas oportunidades entre parceiros dos principais shows e festivais no Brasil, a Serasa oferece um marketplace que une quem está buscando crédito às melhores ofertas do mercado. Para saber mais sobre o Serasa Crédito e descobrir os melhores cartões para os fãs de música, clique aqui.

    Metodologia

    A pesquisa Opinion Box e Serasa sobre planejamento e gastos com shows no Brasil entrevistou 1.398 pessoas, em março de 2024.

  • Sobre , ,

    Senado aprova programa de vacinação nas escolas públicas

    O Senado aprovou nessa terça-feira (21) um projeto de lei que cria o Programa Nacional de Vacinação em Escolas Públicas. O programa determina que a cada ano, após o início da campanha de vacinação contra a gripe, as equipes de saúde locais irão às escolas públicas para vacinar as crianças matriculadas nos ensinos infantil e fundamental, oferecendo as vacinas previstas para cada idade.

    O texto (PL 826/2019), do deputado Domingos Sávio (PL-MG), foi relatado pelo senador Marcelo Castro (MDB-PI) e aprovado sem emendas, como parte de um acordo para que não tivesse que voltar à Câmara. A proposta segue para sanção presidencial.

    De acordo com o texto aprovado, as escolas e unidades de saúde deverão divulgar com antecedência as datas em que a campanha ocorrerá, orientando os estudantes a levarem seus cartões de vacinação. As instituições particulares que desejarem poderão aderir ao programa, embora não seja obrigatório para elas. O projeto prevê que crianças, jovens e adultos da comunidade poderão também ser vacinados, se houver disponibilidade de imunizantes. O objetivo é ampliar a cobertura vacinal da população. 

    — Por que nas escolas? Porque facilita a vida de todos. As crianças estão frequentando a escola todos os dias. É o local mais adequado, mais apropriado. Então a escola entra em contato com o posto de saúde, diz o número de alunos que tem na pré-escola, no ensino infantil e fundamental, a unidade de saúde programa junto com a escola a data, comunica aos pais com cinco dias de antecedência e, naquele dia, vai então a equipe da saúde fazer a vacinação nas escolas — explicou Castro, ex-ministro da Saúde.

    Após a campanha, os responsáveis pelas crianças que não tiverem sido vacinadas nas respectivas escolas terão 30 dias para levá-las às unidades de saúde para serem imunizadas. Depois desse prazo, equipes de saúde poderão fazer visitas domiciliares às famílias para conscientizá-las sobre a importância da imunização. O relator ressaltou que o projeto não impõe a obrigatoriedade de vacinação. 

    Necessidade

    Para a senadora Zenaide Maia (PSD-RN), a vacinação nas escolas na prática já é uma realidade, porque facilita a vida dos pais. Muitas escolas pedem as campanhas porque os pais não têm como levar seus filhos para tomar vacina na hora do expediente, disse a senadora, que é médica. Ela também lembrou que quem vacina as crianças não é a escola, e que as equipes de saúde providenciam tudo que é necessário.

    — Por favor, gente, é muito grave isso! É apenas facilitar. É uma coisa que já se faz na maioria das vezes. Não é a escola que vai vacinar, é a unidade de saúde, gente preparada, com tudo organizado, com tudo descartável, que vai lá e faz essa vacinação. Isso sempre foi muito comum nas escolas e muitas vezes até em ambientes como shoppings. No Rio Grande do Norte, todos os shoppings têm horário de vacinação, para facilitar, aos finais de semana, a vida dos pais que têm que vacinar. É para salvar vidas!

    Tanto ela quanto o relator lembraram que a diminuição da cobertura levou ao reaparecimento de doenças como o sarampo. De acordo com Marcelo Castro, em 2016, o Brasil havia recebido da Organização Mundial da Saúde o título de país livre do sarampo e, em razão da diminuição da cobertura vacinal, o país perdeu esse título.

    — O sarampo, infelizmente, voltou a circular no nosso meio. E o Brasil hoje não é mais um país livre do sarampo. Estou citando um exemplo que é notório  de quanto nós avançamos e de quanto nós regredimos — disse o senador, ressaltando que a vacinação é um ato coletivo, em benefício de toda a população.

    Com informações da Agência Senado

Carregar...
Congratulations. You've reached the end of the internet.