Últimas histórias

  • Sobre ,

    Câmara de Natal instala Frente Parlamentar em Defesa da Cidadania LGBTQIA+

    Durante uma reunião na Escola do Legislativo Wilma de Faria, nessa terça-feira (28), a Câmara Municipal de Natal realizou a instalação da Frente Parlamentar de Promoção e Defesa da Cidadania das Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e Transgêneros. Criada por proposição da vereadora Brisa Bracchi (PT), a Frente tem como objetivo ajudar a enfrentar a homofobia na cidade e propor políticas públicas para proteger as pessoas que, por determinadas opções sexuais, acabam vitimizadas pelo preconceito ou ignorância.

    “Este momento marca a criação oficial da Frente Parlamentar e o início dos nossos trabalhos ordinários. O nosso intuito é que seja um grupo temático misto, ou seja, com a presença dos parlamentares e representantes da sociedade civil. Por isso, o encontro de hoje conta com a participação de personalidades importantes da população LGBTQIA+ da capital potiguar e membros de instituições sociais para que a gente possa fazer uma atuação conjunta”, afirmou a vereadora Brisa Bracchi, que presidirá a Frente.

    O vereador Robério Paulino (PSOL) falou sobre a importância de ampliar o debate sobre diversidade na cidade. “Trata-se de uma iniciativa parlamentar com caráter educativo por abordar um setor muito discriminado. Ser gay ou lésbica no Brasil ainda é um imenso risco, haja vista a sociedade preconceituosa na qual vivemos. Diante desse cenário difícil, o Legislativo natalense precisa sensibilizar a população para o direito que as pessoas têm de serem felizes como quiserem”. 

    Por sua vez, a vereadora Divaneide Basílio (PT) comemorou a instalação da Frente por trazer uma centralidade para as pautas do setor. “Além de subscrever a criação deste novo fórum de debates da Câmara Municipal, quero acompanhar de perto e oferecer a minha contribuição. Porque é uma causa que impacta diretamente na vida dessas pessoas que possuem muitos motivos de orgulho, mas precisam de políticas públicas para viverem com dignidade”.

    A Coordenadora da Diversidade Sexual e de Gênero do Rio Grande do Norte, Janaína Lima, falou que a Frente será relevante na articulação política junto aos poderes públicos. “Uma oportunidade para implementarmos leis que possam, de fato, proteger e defender a comunidade LGBTQIA+ de Natal. Teremos, inclusive, a capacidade de pensar melhor o funcionamento da rede de proteção a nível municipal e contribuir com os marcos legais a nível estadual”, disse ela, que é a primeira gestora trans da história do Governo do RN.

    Foto: Elpídio Júnior

  • Sobre ,

    Teatro Cego apresenta o espetáculo “Um outro olhar” de terça (24) a sexta (26) na Arena das Dunas

    O Teatro Cego vem pela primeira vez a Natal com a peça teatral “Um Outro Olhar”. A peça acontece completamente no escuro e o público fica no palco juntamente com os atores, colocados dentro do cenário. Ao abdicar da visão, o público compreende a trama através doa seus outros sentidos (olfato, paladar, tato e audição). A proposta é estabelecer uma linguagem inédita no teatro.

    Durante o espetáculo, sons, vozes e cheiros chegam aos espectadores vindos sempre de locais diferentes, dando a sensação de que eles estão realmente inseridos no ambiente cênico.

    A peça conta com atores com deficiência visual, que passam a ser peças de extrema importância quando o trabalho ocorre no completo escuro. Cumpre-se assim, também, um papel social, inserindo esses profissionais no mercado de trabalho e abrindo a possibilidade de uma forma de expressão artística que, até então, imaginava-se inviável para essas pessoas.

    O Espetáculo conta a história de uma empregada doméstica e sua patroa que passam, ao mesmo tempo, por um tratamento de câncer. As duas encontram-se em momentos diferentes da doença, com a empregada praticamente curada e a patroa iniciando a quimioterapia. A relação dessas duas mulheres mostra as diferentes posturas e dificuldades que pessoas de classes sociais distantes têm diante desse desafio, ao mesmo tempo em que a compreensão das condições de cada uma delas faz nascer uma amizade que se tornará a principal ferramenta de suas lutas. Apesar do tema delicado, a trama se desenvolve com muita leveza, bom humor e sensibilidade, levando o espectador a uma reflexão que aprofunda a discussão sobre aspectos emocionais, sociais e comportamentais da doença. A trama fala sobre generosidade, empatia, amor, medo, superação, respeito e autoestima. Por acontecer completamente no escuro, a peça se utiliza ainda mais da percepção do espectador, fazendo com que o tema proposto possa ser tratado com ainda mais sensibilidade e aprofundamento. 

    O projeto é uma parceria do Teatro Cego com a ONG Cabelegria que visa realizar 60 apresentações do espetáculo “Um Outro Olhar” em várias capitais do Brasil, com entrada gratuita.

     As apresentações já aconteceram nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Belo Horizonte e agora seguem para Natal e Belém, sempre em parceria com hospitais e entidades de cada local ligadas ao câncer.

    A partir de uma hora antes da primeira apresentação de cada dia, o público presente será convidado a conhecer a tenda da Cabelegria, junto ao local da apresentação, e poderá doar cabelo para a confecção de perucas.

    Haverá, também, várias opções de perucas prontas para serem doadas a pessoas que tiverem perdido o cabelo em consequência de quimioterapia (alguns documentos que comprovam o tratamento serão solicitados para a doação da peruca). Nessa tenda as pessoas contarão com o auxílio de cabeleireiros, podendo sair do local já usando a peruca escolhida.

    Um Outro Olhar – Teatro Cego é um projeto da C-Três Projetos Culturais em parceria com a ONG Cabelegria, com patrocínio da Teleperformance, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

    O que é o Teatro Cego?

    Desde 2012 a C-Três Projetos Culturais vem desenvolvendo o Teatro Cego, um formato teatral onde a peça acontece completamente no escuro, proporcionando, através da arte e do entretenimento, uma experiência única ao público, convidando-o a abdicar da visão e a compreender a trama através de seus outros sentidos (olfato, paladar, tato e audição), utilizando-se de aromas, música e sensações táteis.

    Saiba mais em:  www.teatrocego.com.br

    O que é a Cabelegria?

    Fundada em outubro de 2013, a Cabelegria é uma ONG que recebe doações de cabelo, transformando-o em perucas que são doadas, por meio de Bancos de Perucas (itinerantes e fixos), para pessoas que perderam seus cabelos devido ao tratamento quimioterápico ou a outras patologias. Todo o processo é gratuito.

    Já foram distribuídas mais de 10 mil perucas para crianças e mulheres de todo o Brasil.

    A Cabelegria acredita que a autoestima pode fazer toda a diferença durante um tratamento quimioterápico. Por isso, busca aumentar cada vez mais as doações de perucas para pacientes e expandir seu Banco de Perucas para os maiores centros de tratamento oncológico do Brasil.

    Saiba mais em www.cabelegria.org

    SERVIÇO

    Teatro Cego – “Um Outro Olhar”

    De 24 a 26 de maio, às 18h30 e 20h30

    Local: Auditório da Arena das Dunas – Av. Prudente de Morais, 5121 – Lagoa Nova –  Natal 

     – Os ingressos para a peça teatral serão gratuitos e começam a ser distribuídos 1 hora antes de cada sessão do espetáculo. A distribuição será feita de acordo com a ordem de chegada, através de senhas. Só será distribuída uma senha por pessoa. Serão distribuídos 70 ingressos por espetáculo.

    – Além desses 70 ingressos, mais 30 ingressos serão distribuídos antecipadamente para instituições ligadas ao câncer e instituições ligadas a pessoas com deficiência visual.

    – A ONG Cabelegria estará com sua tenda ( das 17h30 às 21h) recebendo doação de cabelo e fazendo doação de perucas para pessoas que tenham perdido o cabelo por conta de quimioterapia.

    Doação de Perucas

    • Para o Cadastro de recebimento de perucas todos os pacientes deverão ter em mãos os seguintes documentos: Laudo médico, comprovante de quimioterapia, RG e CPF.
    • A Cabelegria doa UMA peruca por paciente e se porventura o paciente já tiver recebido uma peruca da ONG pelos correios ou pelos Bancos de perucas existentes o paciente não poderá receber outra peruca, caso queira ele poderá efetuar a troca da peruca, porém precisará levar a peruca doada.
    • O cadastro é bem simples, será feito na parte externa da tenda e após o cadastro, solicitaremos que o paciente assine um documento (obrigatório) “Comprovante de entrega de peruca” também perguntamos se o paciente autoriza a imagem para que possamos utilizar em nossas redes sociais. Caso aceite, o paciente assina o documento “Termo de Autorização de uso de imagem”. Lembrando que a assinatura desse documento é opcional.
    • Após esse processo os pacientes serão direcionados para escolher sua peruca, assim que escolhida receberão um Kit com um álcool em gel, instruções de como cuidar de sua peruca e uma ecobag.
    • Todo o processo é gratuito.

    FICHA TÉCNICA

    Produção Executiva – Luiz Mel

    Texto e direção – Paulo Palado

    Produção – Lourdes Rocha

    Gerente de Produção Técnica – Carlos Righi

    Contrarregragem – Zan Martins e Rosana Antão

    Sonoplastia – Felipe Herculano

    Elenco – Ana Righi, Luma Sanches e Paulo Palado

    Fotos e filmagens – Ian Noppeney

    Companhia de Teatro Cego

    A Companhia de Teatro Cego surgiu no Brasil em 2012. O formato foi originalmente criado em Córdoba, na Argentina, em 1990. Em 2010, o ator e diretor Paulo Palado esteve em Buenos Aires para conhecer o formato e decidiu trazer a ideia para o Brasil. A C-Três – Projetos Culturais, do produtor executivo Luiz Mel, já trabalhava com projetos artísticos com cunho social como Os Sons da Paz e Os Novos Caminhos da Música e o Teatro Cego tornou-se o novo projeto da produtora. Porém, não existe nenhum vínculo – a não ser o de amizade – com o Teatro Ciego argentino. A ideia é fazer espetáculos teatrais completamente no escuro, convidando o público a abdicar da visão e a usar os seus outros quatro sentidos, além da intuição, para assistir à peça. Para isso, sons, vozes, aromas e sensações táteis são utilizados para colocar o público dentro da trama. O formato de apresentação também não é o tradicional. A plateia é distribuída em cadeiras que intercalam cenários e objetos de cena e o público tem uma proximidade muito grande com os atores, que circulam entre as cadeiras. Por acontecer completamente no escuro, a peça conta com alguns atores com deficiência visual. Porém, a ideia é que nenhum espetáculo aconteça somente com esses atores, mas sim, que haja sempre uma integração com atores videntes.

    Os Espetáculos do Teatro Cego

    O primeiro espetáculo da companhia, “O Grande Viúvo”, estreou no Teatro TucaArena em 2012, com texto de Paulo Palado, adaptando o conto homônimo de Nelson Rodrigues. Em 2014, a companhia estreou sua segunda peça, “Acorda, Amor!”. Esse espetáculo é costurado por canções de Chico Buarque executadas ao vivo pela banda Social Samba Fino, composta por sete músicos. Em 2016, a companhia estreou a peça “Clarear – Somos Todos Diferentes”, com texto de Sara Bentes, que também é atriz em todas as peças. O espetáculo fala sobre quatro jovens com diferentes características (uma garota com deficiência visual, um rapaz com deficiência auditiva, um argentino e uma torcedora fanática do Juventus da Moóca) que dividem a mesma república. Agora, a companhia está lançando seu novo espetáculo “Um Outro Olhar”, em parceria com a ONG Cabelegria. O Espetáculo conta a história de uma empregada doméstica e sua patroa que passam, ao mesmo tempo, por um tratamento de câncer. As duas encontram-se em momentos diferentes da doença, com a empregada praticamente curada e a patroa iniciando a quimioterapia. A relação dessas duas mulheres mostra as diferentes posturas e dificuldades que pessoas de classes sociais distantes têm diante desse desafio, ao mesmo tempo em que a compreensão das condições de cada uma delas faz nascer uma amizade que se tornará a principal ferramenta de suas lutas. Apesar do tema delicado, a trama se desenvolve com muita leveza, bom humor e sensibilidade, levando o espectador a uma reflexão que aprofunda a discussão sobre aspectos emocionais, sociais e comportamentais da doença. A trama fala sobre generosidade, empatia, amor, medo, superação, respeito e autoestima. Por acontecer completamente no escuro, a peça se utiliza ainda mais da percepção do espectador, fazendo com que o tema proposto possa ser tratado com ainda mais sensibilidade e aprofundamento. A tenda da Cabelegria acompanha a peça em todas as apresentações e, nele, é possível doar cabelo para confecção de perucas para mulheres que estejam fazendo tratamento quimioterápico. Perucas já prontas também podem ser retiradas na mesma tenda. Todas as peças da companhia são dirigidas por Paulo Palado e produzidas pela C-Três Projetos Culturais.

    Parceiros

    Durante esses dez anos de atividades, a Companhia de Teatro Cego trabalhou em parceria com diversas instituições. Entre elas, o BOS – Banco de Olhos de Sorocaba, A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, a Laramara – Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual e a Fundação Dorina Nowill para Cegos.

    O Processo de Criação

    O processo de criação da Companhia de Teatro Cego parte sempre do texto. Dos quatro textos montados até agora, três são de Paulo Palado e um de Sara Bentes e já são escritos pensando no Teatro Cego, pois as falas dão indicação de muitos elementos e situações que o espectador não conseguiria identificar sem a visão. O espaço para sons e aromas muito característicos também é priorizado para que a produção possa atuar de forma consistente durante o espetáculo. Porém, tudo isso é feito de maneira que não haja exagero. Não se pode permitir que os meios justifiquem os fins. A ocupação do espaço também é uma preocupação que vem logo no início do processo. A trama tem que ser encenada sempre no mesmo espaço, pois os espectadores estão sentados em suas cadeiras junto com os cenários. As mudanças de cenas são feitas através de músicas e ou aromas. Uma mesma música é repetida sempre que a cena volta para um mesmo cenário. O mesmo pode acontecer com um aroma. O cenário, apesar da escuridão, é de extrema importância para a compreensão do espaço. Portas, armários, mesas, cadeiras, escadas, louça, talheres, camas. Os objetos cenográficos se mostram presentes através de seus sons ou por simples citação dos personagens. Uma característica muito importante do espaço cênico é a forma da sua apresentação. Ao contrário de uma peça convencional, onde o espectador vê primeiro o cenário, que depois vai sendo preenchido por movimento e vida, no Teatro Cego tudo começa em uma escuridão profunda e total. Após a entrada dos atores, com a movimentação e utilização dos espaços, é que o cenário vai se revelando. Os espetáculos são sempre compostos por atores com deficiência visual e atores videntes. A ideia é integrar. Imagine ter que criar um acesso a cadeirantes para um andar acima do piso térreo. Não cadeirantes podem subir facilmente pela escada. Então cria-se um elevador para as pessoas com deficiência física. Isso é acessibilidade. Porém, uma rampa serviria muito bem aos dois públicos. Isso é integração. O processo de criação dos personagens começa com a leitura branca do texto em uma mesa, como em qualquer outra montagem convencional. Enquanto alguns atores se utilizam do tradicional texto no papel, riscado com lápis e grifado com marca-texto, outros leem em braile. Outros ainda contam com aplicativos leitores de tela em um celular ligado ao ouvido por um fone e falam por cima do que ouvem. É como um ponto. Entre essas leituras, os atores e o diretor praticam exercícios de cognição, criando conexões entre os personagens através de códigos inconscientes. Isso ajuda a desconstruir a comunicação rasa que utilizamos na maior parte do tempo e desfaz alguns vícios, tanto de expressão quanto de compreensão. Os ensaios vão então para um espaço demarcado, determinando os locais de cenografia e público. Algumas marcas são colocadas para guiar os atores. O cenário será uma das referências. Em alguns locais, o piso tátil é usado. Os atores com deficiência se locomovem, a princípio, com bengalas (guias) ou com a ajuda da produção. Quando o espaço é completamente dominado, apaga-se as luzes e retira-se as bengalas dos atores com deficiência. Enquanto isso, a produção está pesquisando aromas e sons. Quando os cenários são montados, junta-se tudo nos ensaios finais.

    “No princípio era o caos”

    O processo de criação do Teatro Cego é todo baseado na desconstrução de personagens e espaços. E essa reconstrução é feita a cada espetáculo, diante do público. 

  • Sobre

    Câmara Municipal entrega Título de Cidadão Natalense ao presidente do Sicoob/RN

    Nessa terça-feira (29), a Câmara Municipal promoveu sessão solene para entregar o Título de Cidadão Natalense a Manoel Santa Rosa, presidente da instituição financeira cooperativa Sicoob Rio Grande do Norte. “Ele é o grande protagonista do sistema de cooperativismo no RN”, definiu o propositor da honraria, vereador Milklei Leite (PV).

    “O Cooperativismo está no DNA de Manoel Santa Rosa, que sempre promoveu os princípios associativistas. Os projetos mais recentes dele são uma cooperativa de energia solar para atender a todo o estado, e uma cooperativa de artesãos para melhor distribuir o artesanato potiguar. Foi considerando toda contribuição do homenageado para a cidade do Natal, que propus a outorga deste título”, justificou o vereador, acrescentando que o homenageado deixará grande legado em vários ramos, como comércio, educação e transportes, setores onde ajudou a levantar vários grandes e pequenos empresários. “Ele merece todos os nossos aplausos. É um professor, que deixará um grande legado pro RN”, afirmou. 

    “Estou muito feliz de participar da entrega desse Título, porque Santa Rosa, de fato, é merecedor dessa honraria e tem uma longa trajetória de serviços prestados a Natal”, ratificou a vereadora Divaneide Basílio (PT), revelando que ela própria queria propor essa homenagem, por isso subscreveu o Projeto do vereador Milklei.

    Manoel Santa Rosa é seridoense de Santana do Matos/RN. Filho de agricultores, ao ser perguntado sobre os sentimentos pela homenagem, respondeu em versos de poesia popular. “Eu sou um homem da roça que vivi só trabalhando, limpando mato de enxada e dificuldade enfrentando. Naquele árido sertão, com um galão d’água nas costas, eu parava pra descansar. Eu tinha um grande sonho, mas não podia imaginar, que um dia eu ia ser homenageado na Câmara Municipal de Natal, com um título de cidadão da capital. Eu estou emocionado e, a vocês que estão fazendo a reportagem, eu digo de coração muito obrigado”, recitou, revelando simplicidade e inteligência.

    Manoel Santa Rosa graduou-se em Ciência Contábeis, fez especialização em Cooperativismo e Mestrado em Ciências da Educação. Presidente do Sicoob Rio Grande do Norte, desde a fundação, em 2001, quando ainda se chamava Credsuper, o homenageado entrou em contato com o trabalho em cooperativas ainda no campo, ao lado do pai agricultor. Mas foi em Natal, onde chegou para morar em 1969, que de fato se engajou e construiu toda uma trajetória ligada ao cooperativismo. Como técnico administrativo da UFRN, Manoel acompanhou a fundação do Sindicato Estadual dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior (Sintest-RN) e a reestruturação da Associação dos Funcionários da UFRN (AFURN). Também participou da fundação da Caixa de Assistência Universitária do Rio Grande do Norte (Caurn), em 1997, mantendo-se à frente da entidade até 2014. 

    Com essa experiência, alçou o projeto ainda mais ambicioso de fundar uma cooperativa financeira, em 2001. A Credsuper nasceu inicialmente para atender às necessidades bancárias dos servidores da UFRN. A cooperativa começou com 57 associados e um ativo de R$ 35 mil. Em 2018, a Credsuper foi integrada ao Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, e passou a ser chamada de Sicoob Rio Grande do Norte, que, hoje, conta com R$ 350 milhões em ativos e mais de 11 mil associados, entre pessoas físicas e empresas de qualquer segmento. 

    Ele também se engajou na criação de uma associação habitacional que resultou em um condomínio residencial em Parnamirim, garantindo a sonhada casa própria a 136 famílias. Na sequência, fundou a Unicoopes (União Cooperativista de Ensino Superior, Pesquisa e Extensão do Rio Grande do Norte), em 2007, com o intuito de promover o cooperativismo entre professores ativos e aposentados.

    Compuseram a mesa de autoridades da sessão solene a diretora do Parque Tecnológico Augusto Severo, Ângela Paiva; o presidente do Centro de Promoção Humana Charles Foucauld/Macaíba, Joseleno Marques, e a coordenadora nacional do Fórum Nacional de Pró-reitores de Gestão de Pessoas das IFEs, Mirian Dantas.

    Nota do Blog: Homenagem mais que merecida a uma pessoa especial, um amigo querido. Parabéns, Santa!

    Foto: Elpídio Júnior 

  • Sobre

    Evento promove a visibilidade e o diálogo com a população trans e travesti em Pau dos Ferros

    Promover a visibilidade e o diálogo com a população trans e travestis e uma ação de combate à transfobia em diversos espaços. Esse foi o tom do I Encontro de Vidas e Ações (EVA), promovido pela Prefeitura de Pau dos Ferros, que aconteceu nessa quinta-feira, 27, dentro da programação da IV Jornada da Visibilidade Trans e Travesti Potiguar.

    Durante o evento, com mesas-redondas, debates e apresentações culturais, a luta contra a invisibilidade social que interfere no trabalho, na vida familiar e na rotina do cidadão que busca reconhecimento e espaço para normalizar a diversidade no contexto da garantia de cidadania, com direito a serviço público de saúde especializado, respeito e preservação da vida diariamente ameaçada. E o aviso de que eles, elas e elus não estão sozinhos e que a força que rege a mobilização da causa tem tomado maiores proporções e mais espaço para busca por seus direitos.

    A vereadora de Carnaúba dos Dantas, Thabata Pimenta, primeira mulher trans eleita no RN, participou do evento e destacou a importância das pautas levantadas, como também da representatividade na política para dar voz aos anseios da comunidade LGBTQIA+ e desconstruir pensamentos e culturas na formatação de uma sociedade que priorize o bem-estar da multidiversidade que a humanidade carrega. “Essa representatividade é de suma importância para a sociedade entender e respeitar a diversidade que existe, por isso estamos aqui”.

    Em uma das rodas de conversa, foi apresentado o Programa TransformAÇÃO, criado pela prefeitura de Pau dos Ferros, de inclusão social das pessoas Trans e Travestis, com objetivo de levar educação, saúde e apoio social.

  • Sobre

    Governo debate nesta segunda (29) estratégias para o fim da violência contra as mulheres

    Nesta segunda-feira, 29, será realizado o Seminário “16 Dias de Ativismo: RN na luta pelo fim da violência contra as mulheres”, uma iniciativa do Governo do Estado através da SPM (Subsecretaria de Políticas para as Mulheres) da Secretaria de Estado das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos – SEMJIDH.

    A Governadora Fátima Bezerra e a Secretária Júlia Arruda recebem a jornalista Manuela D’Ávila, a promotora Érica Canuto, a professora Ady Canário, a gestora em Saúde e produtora cultural Wanessa Fialho,  a presidenta do Conselho Estadual de Políticas Públicas LGBT do RN Janaína Lima, a representante da Kilombo Giselma Omilé e a ex-presidente da União Nacional dos Estudantes Patrícia Santiago para debaterem as diversas formas de violência contra a mulher e estratégias de enfrentamento.

    Para se inscrever, acesse o link:
    https://bit.ly/3nGcgrr

    Serviço

    16 Dias de Ativismo – RN na luta pelo fim da violência contra as mulheres
    📅 Quando? 29/11 (segunda-feira)
    ⏰ Que horas? 14h30
    📍 Onde? Escola de Governo – Centro Administrativo

  • Sobre

    Circuito Sesc de Corridas promove etapa virtual solidária em dezembro

    O Circuito Sesc de Corridas e o Mesa Brasil Sesc estão juntos novamente para uma ação de solidariedade. Entre os dias 4 e 12 de dezembro será realizada uma nova etapa virtual do circuito, com valor dos ingressos revertido para a compra de cestas básicas, que serão destinadas a famílias em situação de vulnerabilidade. As inscrições já começaram e podem ser feitas pelo site www.sesc.com.br/circuitodecorridas.

    De acordo com Anderson Dalbone, Gerente de Lazer do Departamento Nacional do Sesc, incentivar a prática de atividade física aliada a uma ação solidária é muito gratificante. “Esse projeto nasceu justamente como a proposta de difundir um estilo de vida mais saudável. Associá-lo a uma ação tão importante como o combate à fome é mais um motivo para essa mobilização”, observa.

    Interessados em participar da prova poderão se inscrever até o dia 28 de novembro, mediante doação no valor de R$ 20, que dá direito a camisa e medalha da etapa virtual do Circuito Sesc de Corridas. A prova será realizada em data, local e horário escolhidos pelo participante, dentro do período de 4 a 12 de dezembro. Os corredores poderão cumprir o percurso de 5km em ambiente externo ou em esteira ergométrica.

    Para não deixar os atletas sem aquele momento tradicional de entrega da medalha no final da prova, será disponibilizado um filtro no Instagram Sesc Brasil, onde o corredor poderá aplicar a imagem da premiação na sua foto. Depois, basta compartilhar o resultado com os amigos nas redes sociais, marcando com #circuitosescdecorridas. A camisa e a medalha serão entregues em janeiro, nas unidades indicadas pelos participantes em cada estado. Participam do evento os estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

    Circuito Sesc de Corridas

    Criado em 2018, o Circuito Sesc de Corridas está presente em todas as regiões do país, reunindo anualmente mais de 120 provas de rua. Em função da pandemia, o evento acontece pelo segundo ano em formato virtual. O projeto busca incentivar a prática de exercícios físicos e um estilo de vida saudável. As provas acontecem tanto nos grandes centros como em municípios do interior e comunidades periféricas, ampliando o acesso para os atletas e incentivando iniciantes na modalidade. Outra característica do circuito é promover a integração dos participantes e familiares, por meio de ações de lazer e entretenimento, realizadas paralelamente às provas, como jogos educativos, aulões de ginástica e recreação. 

  • Sobre , ,

    Patrulha Maria da Penha de Natal vai às escolas conscientizar estudantes sobre violência doméstica

    A Patrulha Maria da Penha da Guarda Municipal do Natal (PMP/GMN) iniciou um novo projeto de conscientização e divulgação das leis de amparo à mulher vítima de violência doméstica. O foco da ação são as escolas, tendo como público-alvo adolescentes e jovens estudantes. 

    A secretária da Semdes, Sheila Freitas, ressaltou que a ida da Patrulha às escolas vem informar, orientar e reforçar entre os jovens uma política de defesa da mulher, de conhecimentos de direitos e, principalmente, de entendimento da lei que protege a vítima, pune o infrator e garante a dignidade e cidadania às mulheres acometidas por violência.

    “Entendemos que a escola pode formar novos conceitos de civilidade, de respeito ao ser humano e é um local importante para falar sobre violência doméstica com o intuito de conscientizar os jovens e diminuir os índices desse tipo de violência na capital”, comentou a secretária.

    A primeira unidade pedagógica a receber a palestra sobre violência doméstica foi a Escola Municipal Professora Terezinha Paulino de Lima, situada no Parque dos Coqueiros, zona Norte da cidade, no último dia 9. Na ocasião, a coordenadora da Patrulha Maria da Penha de Natal, Michely Oliveira, abordou numa apresentação em linguagem simples e didática a Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), onde foram mostradas as punições para quem pratica violência doméstica, os tipos de violências, os locais onde buscar ajuda, como denunciar crimes dessa natureza e outras informações que versam sobre essa pauta.

    A coordenadora da Patrulha contou que a receptividade dos estudantes para o tema foi muito boa, o que mostrou que o rompimento da cultura da violência doméstica passa pela educação. “Os alunos ficaram atentos e interagiram muito durante a palestra. Muitas dúvidas, muitas perguntas e questionamentos. O público jovem tem sede de entender o cenário no qual vivem, porque querem viver numa sociedade mais justa, onde homens e mulheres possam na prática gozar dos mesmos direitos”, comentou Michely.

  • Sobre

    Campanha Natal Sem Fome será lançada neste domingo em todo o país

    Um relatório recente da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar mostra o retrato cruel da fome no país, agravada com a pandemia de Covid-19. Mais da metade dos brasileiros, 116 milhões de pessoas, se encontram em situação de insegurança alimentar. 46,2% em insegurança moderada. E 9% vivenciam a realidade da fome. São 19 milhões de brasileiros, quase o dobro do número de 2018. Um dos pontos do relatório aponta que a pandemia afetou negativamente as condições de renda e trabalho da população em todas as regiões. Mas no Norte e Nordeste foram observados os maiores percentuais de perda de emprego, redução dos rendimentos familiares, endividamento e corte nas despesas de itens considerados essenciais.

    “No Rio Grande do Norte, a situação não é diferente. Segundo dados do CadÚnico do Governo Federal, mais de 1 milhão de potiguares vivem com uma renda inferior a R$ 89 por mês, o que claro, não garante o direito ao básico da dignidade, que é comida na mesa. Isso representa 1/3 da nossa população”, diz Carlos Freire, coordenador da ONG Avoante.

    Iniciativas da sociedade civil, espalhadas por todo o Estado, ajudam a amenizar a situação. Esse é um dos objetivos da Campanha Natal Sem Fome, idealizada em 1993 pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, e que será lançada em todo o país no próximo domingo, dia 17.

    No Rio Grande do Norte, a ação é coordenada pela ONG Avoante e Coletivo Amigos Contra a Fome. Desde o início da pandemia as instituições juntas: Ação da Cidadania, Avoante e Amigos Contra a Fome, já distribuíram mais de 160 mil quilos de alimentos. “O Natal Sem Fome surgiu principalmente para colocar em pauta a discussão sobre o tema no Brasil, e paralelamente, arrecadar alimentos que são distribuídos às pessoas em situação de insegurança alimentar. Afinal, ‘Quem tem fome, tem pressa’, como diz o slogan da campanha”, explica Carlos.

    Esse ano, por causa da pandemia, a campanha será feita mais uma vez de forma virtual, com doações em dinheiro pelo site www.natalsemfome.org.br. Todo o dinheiro arrecadado será revertido em cestas básicas. O tema de 2021 é “Dê asas à solidariedade”, e lembra a fábula do beija-flor. Ela conta que havia um grande incêndio na floresta. Os animais , apavorados, buscavam abrigo. Enquanto isso, um pequeno beija-flor voava em direção ao rio buscando uma gota de água e jogando-a sobre o fogo.

    Uma coruja que só observava então falou:

    • Você deve ser louco. Não vê que é impossível apagar esse incêndio com uma gota de água?
      O beija-flor respondeu:
    • Eu sei, estou apenas fazendo a minha parte!

    “A fome é um problema gravíssimo, que depende de muito mais para ser resolvido. Mas se cada um de nós pensar como o beija-flor, e fizer alguma coisa, por menor que seja, o resultado vai fazer uma diferença enorme nessa luta que deve ser de todos nós”, conclui Carlos.

    CAMPANHA NATAL SEM FOME 2021
    Doações: natalsemfome.org.br

  • Sobre ,

    Sancionada lei que garante aulas presenciais contínuas para alunos com deficiência e autismo

    Foi publicada no Diário Oficial de Natal a sanção da Lei 7204/2021, de autoria do vereador Tércio Tinoco. A lei obriga as escolas da rede municipal e privada da capital a oferecerem aulas presenciais de forma contínua, para as crianças e adolescentes com deficiência ou diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

    “Nossa lei tem o intuito de garantir uma educação inclusiva, sem discriminação e com respeito às diferenças individuais. É unânime entre os especialistas que esses alunos precisam de atenção diferenciada e permanente para desenvolver o aprendizado”, diz o vereador.

    Atualmente, as escolas públicas e privadas da capital já tem autorização para retomar as aulas presenciais com 100% dos alunos, em todas as turmas. Mas algumas unidades queriam manter os alunos especiais no ensino virtual, segundo o vereador. “A lei veio para reforçar que todos devem ter as mesmas oportunidades na escola. Os responsáveis pelos alunos terão a liberdade de decidir se é ou não o momento de retornarem”, afirma.

    O projeto de lei foi apresentado pelo vereador Tércio após o apelo de Katyanne Varela, mãe de Bryan Gabriel, diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Ela falou na Câmara sobre a necessidade do filho ter aulas contínuas, sem o rodízio que estava sendo feito na época.

  • Sobre ,

    Maestro André Muniz recebe cidadania natalense

    Pernambucano radicado há anos em Natal, o querido maestro da Orquestra Filarmônica da UFRN, André Muniz, recebeu justa cidadania natalense no último sábado durante o primeiro concerto presencial da orquestra, marcando a retomada das apresentações com público durante a pandemia. Proposta pelo vereador Pedro Gorki (PCdoB) e a vereadora licenciada Júlia Arruda, o ato solene contou com a presença de autoridades, comunidade acadêmica, familiares e amigos do homenageado.

    “Cheguei aqui um menino com formação técnica e me tornei um maestro através das oportunidades que Natal, cidade que escolhi por adoção, me ofereceu. Então, receber a cidadania natalense é um motivo de absoluta alegria, especialmente porque mostra que professores e artistas não estão invisíveis. Ou seja, estamos contribuindo e o nosso esforço está sendo observado pela sociedade. Isso é muito gratificante!”, concluiu o maestro.

  • Sobre

    Doe lenços para pacientes com câncer

    A Câmara Municipal de Natal, em parceria com o Grupo Reviver, está arrecadando lenços novos ou em bom estado de conservação e cabelos com comprimento mínimo de 20cm, que serão destinados a pacientes em tratamento contra o câncer. As doações podem ser feitas na sede da CMN, de segunda a sexta, entre 08h30 e 15h, no Ambulatório da Casa. #outubrorosa

  • Sobre

    Câmara Municipal recebe projeto de revisão do Plano Diretor de Natal

    A Câmara Municipal de Natal recebeu nesta quarta-feira (29) o projeto de revisão do Plano Diretor de Natal (PDN), que foi entregue pelo Prefeito Álvaro Dias (PSDB). Na ocasião, o presidente do Legislativo natalense, vereador Paulinho Freire (PDT), anunciou a criação de uma comissão especial, a ser composta pelos presidentes das comissões técnicas, para dedicação exclusiva e elaboração de um cronograma de votação da matéria com maior celeridade.

    “Estamos recebendo hoje o Plano e vamos criar uma comissão especial feita por todos os presidentes das comissões para unificar e agilizar a tramitação. O projeto chega com pedido de urgência e tramitaria em cinco comissões”, disse Paulinho Freire. Ele destacou que a apreciação do PDN passará por debates amplos envolvendo democraticamente toda a sociedade. “Faremos o debate com audiências públicas para que esse Plano seja bem debatido na casa. Vamos reservar as sextas-feiras para essas audiências. Não vamos votar a toque de caixa. Vamos fazer um debate democrático para que possamos ter um plano equilibrado que traga desenvolvimento para a cidade”, concluiu o presidente.

    Uma vez protocolado, a previsão é de que o projeto seja lido na sessão ordinária desta quinta-feira (30) para que comece a tramitar no Legislativo.

    Parte dos vereadores que integram a bancada de oposição e aqueles que se declaram independentes decidiram fazer um protesto simbólico contra o pedido de celeridade na votação e se ausentaram durante a entrega do Plano. Eles defendem um amplo e detalhado debate público sobre cada assunto a ser votado.

Carregar...
Congratulations. You've reached the end of the internet.