Hospital Infantil Varela Santiago inaugura ‘Sino da Vitória’ que representa fim de tratamento oncológico

Com o toque de um sino, pacientes diagnosticados com câncer poderão anunciar o fim do tratamento no Hospital Infantil Varela Santiago. Chamado de ‘Sino da Vitória’, o projeto – pioneiro no Rio Grande do Norte – foi lançado na última sexta-feira (17) com a presença do diretor superintendente, Dr. Paulo Xavier Trindade; o coordenador do serviço de onco-hematologia do HIVS, Dr. Wilson Cleto; a médica hematologista Dra. Zélia Fernandes e a Oncologista e Hematologista Infantil, Luciana de Aguiar Corrêa.

O objetivo do Sino é que os pacientes compartilhem o momento de despedida do tratamento e incentivem aqueles que ainda lutam contra a doença. “O Sino da Vitória representa o final de um ciclo dos pacientes dentro do hospital, uma mudança. Quando eles terminam a quimioterapia, muitas vezes prolongadas, tratamentos como da leucemia linfoide aguda de dois anos e meio, e aí esse Sino vem para selar o final do tratamento e o início de uma fase cheia de esperança que é o pós-quimio”, explica dr. Wilson.

Na cerimônia, o paciente oncológico toca um sino que simboliza as experiências vividas e a vontade de seguir em frente. O ato significa comemorar cada vitória alcançada em cada etapa do tratamento. Em outras palavras, tocar o sino significa celebrar a vida. Dessa forma, familiares e amigos podem festejar os momentos importantes e demonstrar seu apoio e carinho ao paciente, além de tornar o ambiente hospitalar mais humanizado e acolhedor.

As enfermeiras oncológicas Camila Dantas e Thamyres Araújo foram as idealizadoras do projeto no HIVS. Segundo elas, após pesquisas e achar referências em todo o Brasil e até internacionalmente, se chegou a ideia de implantar na instituição. “A gente se incomodava de não conseguir fazer muita coisa no último dia do tratamento dos nossos pacientes e aí achamos essa inspiração. Ele é o símbolo da finalização do tratamento, não a cura (pois eles têm a cura depois dos 5 anos), mas é a parte simbólica, a gente conseguir comemorar e dar esperança, fé e força. É um momento muito especial, emocionante”.

Os pacientes José Carlos, Bianca Avelino e Yuri Moises tiveram a honra de tocar o sino no dia da inauguração. Os três vibraram muito e emocionaram a todos que participaram da solenidade. O badalar do sino também é um incentivo para outros pacientes, pois acaba motivando-os a persistirem e finalizarem o tratamento, pois causa neles uma satisfação ao presenciar conquistas dos colegas. “É para eles dizerem: eu lutei, consegui. Estou aqui para contar história e os outros se espelharem que podem também”, acrescenta Camila.

A Cerimônia do Sino teve origem nos Estado Unidos (EUA), no Hospital M. D. Anderson Cancer Center, um centro de referência em tratamento oncológico. A tradição iniciou-se em 1996, quando o Almirante da Marinha dos EUA Irve Le Moyne, um paciente com câncer na região de cabeça e pescoço, doou um sino para o setor de radioterapia, para comemorar o final do tratamento radioterápico. Muitos centros oncológicos ao redor do mundo também passaram a ter o sino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Mulheres juristas já podem se inscrever em repositório do CNJ

São João da Feirinha da Árvore segue até esta terça (21) com artesanato, gastronomia e música