Policiais civis retomam atividades e explicam delegacias fechadas

Os Delegados decidiram nessa sexta-feira, 11, retomar os trabalhos ordinários na Polícia Civil do RN, em razão da reabertura da mesa de negociação e em atenção à decisão judicial. Contudo, os delegados decidiran também que não realizarão qualquer serviço extraordinário até a resolução do impasse em torno do ADTS.

Por isso, pode-se dizer que, apesar de cumprir a decisão judicial, os delegados continuam mobilizados, visto que por causa do baixo efetivo da PCRN, muitas delegacias, principalmente no interior, só funcionam porque os policiais utilizam seu horário de folga para suprir a demanda.

Nota de Esclarecimento

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN vem a público esclarecer o motivo de algumas delegacias de plantão permanecem fechadas, embora a decisão judicial esteja sendo integralmente cumprida.

A Polícia Civil, como é sabido, conta com cerca de apenas um terço do efetivo necessário. Desta forma, muitas delegacias de plantão, especialmente no interior, funcionam com policiais que fazem hora extra, para suprir as lacunas deixadas pelo baixo efetivo. Em outras palavras, os policiais civis cumprem sua carga horária durante a semana (serviço ordinário) e, no seu horário de folga (à noite e finais de semana), continuam trabalhando, para não deixar a população desatendida, que é o serviço extraordinário.

Sendo assim, os policiais civis que são efetivamente lotados nas equipes de plantão estão trabalhando normalmente.

Contudo, os demais, como forma de se manterem mobilizados, não estão realizando qualquer serviço extraordinário, motivo pelo qual, algumas delegacias permanecem fechadas.

Vale lembrar que o serviço extraordinário é, por lei, voluntário. Ninguém pode ser compelido a trabalhar além da sua carga horária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Editora da UFRN completa 60 anos de história

Centenário é importante para revisar mito da Semana de Arte Moderna