“Coletivo das Cores” resgata os valores culturais da Vila de Ponta Negra

Falar sobre a Vila de Ponta Negra é considerar um local de resistência, mantendo viva a cultura e a identidade da região; é falar de um lugar onde ainda é possível encontrar a arquitetura original nas casas e nos hábitos, os pescadores tecendo suas redes e as mulheres elaborando as rendas com seus bilros. Por outro lado, esse cenário também é marcado pelo abandono e pela segregação social e econômica, o que, por muitas vezes, vitimiza seus moradores à violência e à marginalidade sociocultural. Foi nesse cenário tão diverso que surgiu o projeto “Cores da Vila” – que em parceria com artistas como Clarissa Torres, Vivi Fujiwara, Miguel Carcará, Victor Pazciência, Clara Felix, Hellen Rodrigues, e Suco, especializados em grafite e arte urbana, vem ocupando artisticamente muros e espaços públicos, tornando-os galerias a céu aberto, ganhando força e apoio de parceiras público-privadas, a fim de resgatar a originalidade e a autoestima da região.

Em ação conjunta com o projeto Cores da Vila, a produtora cultural Nathy Passos e o produtor Miguel Carcará idealizaram o projeto “Coletivo das Cores”, selecionado pelo Edital de Economia Criativa do Sebrae 2021, que conta também com o apoio da Fundação Capitania das Artes e Prefeitura do Natal, através das Secretarias de Assistência social e da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, além de vários esforços de empreendedores da Vila de Ponta Negra.

A Vila de Ponta Negra está localizada nas proximidades da orla da praia de Ponta Negra e da principal Avenida do bairro, por essa razão a especulação imobiliária e o tráfego de turistas na região é intenso. Entre a Vila e um dos maiores cartões postais e orgulho dos natalenses, o morro do careca, existe um caminho cheio de flores e dores, o Beco Sátiro Dias. Há décadas esquecido, o beco receberá com o projeto Coletivo das Cores uma revitalização, resgatando a história local com a arte, levando crianças e adolescentes a ter a oportunidade de retratar seus sonhos, dores, valores e cotidiano através do grafite, colorindo as ruas e afastando-os da ociosidade e da marginalização.

Muito mais do que uma oportunidade de lazer e diversão, o projeto carrega a expressão artística em suas ações, permitindo o desenvolvimento do potencial criativo dos participantes. O maior legado de uma população é o seu território, seu lar, sua cultura e os seus costumes. Colorir um beco esquecido, com arte urbana, homenageando os Mestres da Cultura local, é mais do que um ato de resistência, é a oportunidade de resgatar a essência dos moradores desse lugar tão estigmatizado, dando voz à comunidade e tornando a região mais um ponto de experiência turística a partir da arte urbana, alcançando assim o público nacional e internacional, tendo em vista que Natal é um dos destinos mais procurados por visitantes brasileiros, latinos e europeus.

No dia 23 de outubro será realizado o mutirão para execução dos grafites e para a colocação das cerâmicas na “Travessa Sátiro Dias”, e no dia 06 de novembro acontecerá a abertura oficial do percurso artístico “Beco das Cores e Mestres” e também da Feira Cultural na Praça do Cruzeiro, com diversas atrações artísticas, culturais e gastronômicas.

SERVIÇO

Projeto “Coletivo das Cores”

Dia 23 de outubro – Mutirão de grafite “Coletivo das Cores”

Dia 06 de novembro “Abertura Oficial do Beco das Cores” e da “Feira Cultural Coletivo das Cores”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Audiência apresenta 60 artigos da revisão do Plano Diretor na Comissão Especial

Primeira websérie de animação com conteúdo infantil do RN estreia nesta terça-feira (26)