Trio Calidris apresenta recital na EMUFRN no dia 02 de julho

O trio de música Calidris, composto por três professores da UFRN, apresenta recital na Escola de Música (EMUFRN). Formado por Lourenço de Nardin Budó, no violino, Frederico Nable, no violoncelo, e Joana Holanda, no piano, o grupo apresenta obras do repertório de Música de Câmara e um prelúdio das Cinco Miniaturas Brasileiras de Edmundo Villani-Cortês. O evento acontece no dia 2 de julho, às 14h30, com entrada gratuita.

O grupo, que tem o nome do gênero de aves migratórias e que viajam pelo litoral do Brasil, é formado por uma brasiliense, Joana, um mineiro, Frederico, e um gaúcho, Lourenço. O nome foi escolhido para representar a multi-regionalidade do grupo, como revelado pelo violinista. Lourenço dedica-se à atuação na Música de Câmara, além de ensino e pesquisa sobre técnicas contemporâneas no violino. Frederico é professor de violoncelo, sendo coordenador da Orquestra Infanto-juvenil da UFRN, e Joana atua como pianista e camerista.

O evento se inicia com a apresentação da composição de Edmundo Villani-Côrtes, Cinco Miniaturas Brasileiras, prelúdio que será a abertura do recital e que se trata de uma adaptação para trio. Após a introdução, a primeira obra a ser apresentada é o Trio Op. 70, em Ré maior, de Beethoven. Lourenço conta que a composição é conhecida como Fantasma, pois há o contraste do movimento intermediário com os outros que fazem parte da obra. “Nós entendemos que o motivo dessa alcunha é justamente aquele segundo movimento que é muito lento, muito estático e tem um contraste gigantesco com os outros dois movimentos”, afirma.

A segunda obra apresentada é Las Cuatro Estaciones Porteñas, de Astor Piazzola. A composição foi originalmente feita para formação de quinteto com bandoneón, instrumento que produz som a partir de palhetas. O trio fará a apresentação com o arranjo para violino, violoncelo e piano do programa de José Bragato, violoncelista italiano que tocou com Piazzola. 

“Nesse arranjo, nós adicionamos alguns elementos, porque são vários efeitos, várias coisas que se fazem na música do tango argentino em geral”, o violinista explica. Ele adiciona que as composições de Piazzola tinham características de improvisação, com efeitos que não estavam prescritos ou anotados, enfatizando a diferença com obras de Beethoven.

As composições apresentadas têm características distintas, Budó descreve Piazzola como alguém que revolucionou as harmonias do tango, havendo uma grande inspiração. “Diferentemente de Beethoven, que tem uma música muito fluida, orgânica, muito escrita e prescrita, as partes e as justificações, principalmente de dinâmica pros três instrumentos, interagem muito, mas de forma equilibrada”, argumenta.

Programação:

Edmundo Vilani – Cortês (n.1930)

– Cinco Miniaturas Brasileiras – Prelúdio

L.v. Beethoven (1770-1827)

Trio Op. 70 – Allegro vivace e con brio

– Largo assai ed Expressivo

– Presto

Astor Piazzola (1921-1992) – Cuatro Estaciones Porteñas

– Primavera

– Verão

– Outono

– Inverno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

GIPHY App Key not set. Please check settings

Abertas inscrições para os Jogos dos Comerciários 2022

UFRN promove concurso para professor adjunto e auxiliar