Orquestra Filarmônica da UFRN realiza apresentações em São Paulo

Depois que precisou trocar os palcos por apresentações virtuais durante o período mais crítico da pandemia de covid-19, a Orquestra Filarmônica da UFRN (FIL) retornou aos poucos suas apresentações presenciais desde a flexibilização das restrições, sempre arrastando público considerável. Para marcar esse retorno também fora do RN, a FIL se prepara para duas apresentações de grande relevância. Nos dias 23 e 24 de julho, será recebida, respectivamente, na Sala São Paulo e no Festival de Campos do Jordão. 

“O convite para o evento em Campos veio do diretor artístico do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, o violonista Fábio Zanon, que no ano passado atuou como nosso solista e ficou bem impactado com a qualidade da Filarmônica UFRN”, diz André Muniz, professor e maestro da orquestra. Um dos maiores violonistas brasileiros de todos os tempos e um dos mais influentes da atualidade, continua Muniz, Fábio Zanon representa para os violonistas clássicos brasileiros a epítome da música erudita de corda.

Buscando enfatizar a produção erudita da região Nordeste, a Filarmônica vai explorar produções regionais em ambas as apresentações. De acordo com André Muniz, serão duas apresentações e ambas têm um repertório focado em compositores nordestinos ou que contribuíram para a edificação de composições nessa região, como é o caso de Guerra-Peixe. O maestro também destaca a première de uma obra especialmente composta pelo professor Caio Facó para ser estreada na Sala São Paulo.

Foto: Anastácia Vaz – Agecom/UFRN

A Sala São Paulo é o berço da música clássica no Brasil, inaugurada no dia 9 de julho de 1999, foi a primeira sala de concertos do Brasil, considerada uma das melhores do mundo desde a sua concepção. O Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão é reconhecido como o maior evento de música clássica da América Latina. 

Com 12 anos em atividade, a Filarmônica UFRN é formada exclusivamente por alunos da Universidade e tem sido um laboratório orquestral de projeção de músicos para o mercado nacional e internacional. Em sua história, a Filarmônica coleciona prêmios e participações em grandes eventos. Foi o primeiro conjunto orquestral do Rio Grande do Norte a realizar uma turnê pela Alemanha, em projeto de parceria entre a UFRN e o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD). Outro momento auge foi o concerto, em 2019, para o Papa Francisco, no Vaticano, com apresentação de obras inéditas de compositores potiguares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Senac reúne 25 prefeituras no 1º Encontro do Programa de Desenvolvimento Econômico Local

Sesc RN oferece jantar especial do Dia dos Namorados na capital e interior