Meteorologia prevê ano de inverno normal no sertão do RN

Apesar de fevereiro não ter correspondido às expectativas, após um janeiro animador, o sertão do Rio Grande do Norte deverá ter um inverno normal este ano, segundo prognóstico elaborado por meteorologistas que participaram da Reunião de Análise Climática para o Semiárido do Nordeste Brasileiro, divulgado nessa quarta-feira (23) em Natal. Devido à pandemia, a reunião foi realizada de forma virtual, com a participação de representantes do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), vinculado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais; Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos e de todos os núcleos regionais do Nordeste.

Para elaborar a previsão foram utilizados parâmetros de três modelos nacionais – Inmet, CPTEC e Funceme e de outros internacionais, indicando uma condição favorável, que pode melhorar se as águas do Atlântico Norte esfriarem meio grau ao longo dos próximos três meses. “A tendência é de que tenhamos em março, abril e maio uma condição de normalidade na distribuição das chuvas no Rio Grande do Norte, principalmente da região Central em direção ao Leste, e alguma dificuldade na região de Mossoró”, disse o meteorologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn), Gilmar Bristot, na apresentação do prognóstico.

Por regiões, o volume médio de chuvas esperado para os meses de março a maio é de 479,2 milímetros no Oeste, 376,9 na região Central, 343,2 no Agreste e 533,8 na Leste. “Essas chuvas não vão encher, mas poderão amenizar a situação dos reservatórios”, disse Bristot.

O secretário estadual da Agricultura, Guilherme Saldanha, está otimista. “A expectativa é que este ano o inverno seja suficiente para que tenhamos lavoura, produção agrícola, pasto para os animais e dê um conforto para os reservatórios. Em 2021, a situação do Agreste e Litoral foi muito ruim, foram as regiões mais afetadas pela seca. Com a previsão de chuvas dentro da normalidade e até acima do normal para 2022 esperamos que haja um impacto favorável em todas as regiões do estado.

Chuvas

O novo sistema de monitoramento da Emparn registrou em janeiro chuvas 160% acima da média esperada para o mês. Foi o janeiro mais chuvoso dos últimos 18 anos no Rio Grande do Norte e também o melhor em termos de distribuição geográfica. Dos 10 municípios com maior volume de chuvas acumulado entre 1º de janeiro e 23 de fevereiro/2022, oito são de microrregiões diferentes. 

Em relação a anos anteriores, a situação das reservas hídricas é relativamente confortável. Os três maiores reservatórios do Estado – Armando Ribeiro Gonçalves, Santa Cruz e Umari – acumulam atualmente 1,47 bilhão de metros cúbicos de água, ou 45% da capacidade total. Em fase final de construção, a Barragem Oiticica encheu nas primeiras chuvas do ano. Está com 15 milhões de m³, que é a capacidade provisória (a total é de 590 milhões), jorrando a água que chega da transposição para a Barragem Armando Ribeiro. A Lagoa do Bonfim, de onde é captada água para alimentar o sistema adutor Monsenhor Expedito, está com 44,6% da capacidade.

De acordo com levantamento da Caern, apenas dois dos 167 municípios potiguares estão com o abastecimento, via água encanada, em colapso parcial. São eles: Paraná, na microrregião de Pau dos Ferros, e Serra do Mel, na microrregião de Mossoró.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Centro de Turismo tem programação carnavalesca de sexta a domingo

Kengas, Marchinhas e muita animação no Bardallo’s até a terça-feira (1º)