Professores da UFRN escrevem carta aberta a todos os envolvidos na “Ação dos Precatórios”

Um grupo de professores da UFRN que integra a conhecida “Ação dos Precatórios” e que discorda da proposta da atual diretoria do Adurn-Sindicato para um acordo com deságio de 65% (diferença entre o valor calculado na ação e o valor que será recebido) sobre os valores a que cada um tem direito, escreveu uma carta aberta a todos os docentes envolvidos, fazendo um apelo para que eles não concordem com o que consideram um absurdo, já que a causa já foi julgada e reconhece o direito dos trabalhadores às perdas sofridas.

A “Ação dos Precatórios”, como é conhecido o processo trabalhista movido por professores da UFRN contra a União cobra o pagamento e a incorporação de valores que foram suspensos devido a planos econômicos na década de 1980 para controlar a inflação no Brasil.

Leia o documento:

O Processo dos Precatórios dos Professores da UFRN

O processo dos precatórios, iniciado em 1991, já se desenrola há 30 anos e teve seu desfecho em 2015, quando foi julgado com ganho de causa para um conjunto de 1900 professores. Desse total, cerca de 300 professores faleceram e são representados atualmente por seus herdeiros legais. Dos 1600 vivos, muitos estão aposentados e alguns ainda na ativa.

Com a ação transitada e julgada, em 2015 iniciou-se um processo que possibilitasse a execução dos precatórios e o devido pagamento a todos os professores.

Recentemente, de acordo com informes do ADURN-Sindicato, Procuradores Gerais Federais fizeram um contato com a direção da entidade e seus advogados constituídos para apresentar um acordo.

Nesse acordo, ainda em tratativas, foi proposto que se os professores aceitassem um deságio de 65%, os procuradores federais fariam ações junto ao juiz do processo principal para agilizar o pagamento dos precatórios com o deságio proposto.

Aqui começam os problemas

A direção do ADURN-Sindicato, junto com os seus advogados, reunidos em Brasília, realizaram tratativas para a efetivação do acordo a ser futuramente homologado pelo juiz do processo. Nessa reunião, foi exigido pelos Procuradores Federais que o Sindicato e os advogados assinassem uma Cláusula de Confidencialidade. Dessa forma, a entidade e seus representantes legais ficaram proibidos de informar aos professores sobre tudo que foi apresentado na reunião com os Procuradores Federais.

Como representante legítima dos professores, a direção do ADURN-Sindicato nunca poderia aceitar essa Cláusula de Confidencialidade. Como os professores poderiam decidir algo se não sabiam de todos os termos do acordo? Mesmo assim, a direção do ADURN-Sindicato apresentou aos professores a proposta do deságio de 65% feita pelos Procuradores Federais.

Inicialmente, a ideia era que essa discussão fosse realizada em uma Assembleia Geral dos professores envolvidos no processo. Tempos depois, o ADURN-Sindicato desistiu da Assembleia e resolveu realizar um Plebiscito por meio eletrônico com a participação de todos os professores envolvidos na ação.

Mais problemas se acumulam.

Para a realização de um plebiscito onde um conjunto de professores tenham que decidir sobre aceitar ou não um acordo, é imperioso que todos estejam devidamente informados sobre o que vai escolher e votar.

A direção do ADURN-Sindicato em entrevistas à imprensa, apesar de afirmar que estava apenas encaminhando a questão para decisão dos professores, em diversos momentos subliminarmente indicava que o acordo era benéfico aos professores. Além disso, a direção da entidade não permitiu que os professores contrários ao acordo e ao absurdo deságio de 65% utilizassem os meios de comunicação do sindicato para divulgarem suas posições para todos os signatários da ação.

No acordo proposto pelos Procuradores Federais é exigido que cada professor que concorde com o deságio, assine um TERMO DE DECLARAÇÃO aceitando os termos propostos. Dessa forma, apenas o plebiscito não seria suficiente para a concretização do acordo.

Ora, esses Termos de Declaração deveriam ser assinados pelos professores apenas após a realização do plebiscito, se a categoria aceitasse os termos. Absurdamente a direção do ADURN-Sindicato começou a pedir aos professores que assinassem o documento antes do início do plebiscito. E mais, passou a telefonar aos professores, através de uma empresa contratada, solicitando que fossem até a sede da entidade para assinar os Termos de Declaração.

Um grupo de professores, inconformados com esse procedimento entrou com uma solicitação endereçada à direção do ADURN-Sindicato pedindo que:

1 – O ADURN deveria fornecer aos professores todas as informações necessárias para o esclarecimento de dúvidas sobre o acordo proposto;

2 – Adiasse o plebiscito até que todos os professores estivessem devidamente esclarecidos;

3 – Realizasse uma Assembleia Geral antes da realização do plebiscito.

Mais uma vez, a direção do ADURN-Sindicato não atendeu a qualquer reivindicação desse conjunto de professores, o que forçou a realização de uma ação judicial para que essas solicitações listadas acima fossem atendidas.

O juiz da causa se declarou impedido, pois considerou que o assunto deveria ser objeto de apreciação na justiça federal e não julgou o processo.

Estranhamente, a direção do ADURN enviou uma matéria jornalística aos associados com a seguinte manchete: Vitória histórica! Justiça reconhece legitimidade do plebiscito promovido pelo ADURN-Sindicato sobre a ação dos Precatórios.

Ora, o juiz não julgou a causa. Apenas declinou da competência para julgar a causa e a remeteu à esfera federal.

No final do dia 03 de dezembro de 2021, prazo final para o plebiscito virtual, o ADURN-Sindicato divulgou o resultado do plebiscito com uma matéria em seu site com a seguinte manchete: “Precatórios: Docentes aprovam proposta de acordo por ampla maioria”. Segundo a entidade, votaram no plebiscito 957 professores, sendo 734 professores pelo sim e 223 professores pelo não.

Já que são 1900 professores e herdeiros envolvidos no processo, o número de pessoas que votaram SIM, concordando com o acordo proposto, não atingiu a ampla maioria exigida pelos procuradores federais para a efetivação do mesmo.

Apesar disso e de forma unilateral e autoritária, a direção do ADURN-Sindicato emitiu um comunicado estendendo o prazo para a entrega do Termo de Declaração assinado até o dia 17 de dezembro.

Como dito pelas próprias palavras dos advogados da causa: “É importante lembrar que apenas os professores e professoras que assinaram e entregaram o termo de declaração serão incluídos no acordo. Deste modo, aqueles que votaram no plebiscito, mas não entregaram o termo devem realizar essa entrega o mais rápido possível”.

 O QUE FAZER?

Diante do exposto, os professores e herdeiros abaixo assinados, cansados com a falta de transparência e com o descaso da direção do ADURN-Sindicato, dirigem-se a todos os professores e herdeiros que participam do processo dos precatórios para alertá-los do absurdo desse acordo e pedem:

1 – NÃO ACEITEM ESSE ABSURDO ACORDO DE DESÁGIO DE 65% NO VALOR DEVIDO A CADA PROFESSOR.

2 – SE VOTOU SIM E AINDA NÃO ASSINOU O TERMO DE DECLARAÇÃO QUE ATESTA QUE O PROFESSOR ACEITOU O ACORDO, NÃO PREENCHA NEM ASSINE QUALQUER DOCUMENTO PROPOSTO PELO ADURN.

3 – SE VOTOU SIM E JÁ ASSINOU O ACORDO, VÁ ATÉ A SEDE DO ADURN E EXIJA A DEVOLUÇÃO DO TERMO ANTERIORMENTE ASSINADO ATÉ DO DIA 17 DE DEZEMBRO. É DIREITO SEU, PROFESSOR, O PAGAMENTO DO VALOR TOTAL DO PRECATÓRIO.

4 – DIGA NÃO AO ACORDO DE DESÁGIO DE 65% NO VALOR QUE VOCÊ TEM A RECEBER PELO SEU PRECATÓRIO. O PROCESSO JÁ FOI JULGADO E É UM DIREITO SEU, PROFESSOR.

Natal, 09 de dezembro de 2021

Adalberto Trindade,  Akemi Iwata Monteiro, Albanita  Macedo, Aldemir Gomes Freire, Alexandre Augusto de Lara Menezes, Aluísio Alberto Dantas, Ana Maria Ramos, Ann Mary Faraj, Antônio Cabral Neto, Antonio Francisco da Rocha, Benedito Tadeu Vasconcelos Freire, Bernadete Oliveira, Carlos Alberto dos Santos, Carlos Capistrano, Carlson Pereira de Souza, Carmen Calado, Celia Holtz, Celma Q F Albuquerque, Clodomiro Alves Junior,  Constância Lima Duarte, Dalva Araújo,  Denise Maria de Carvalho Rocha, Diva Cunha Pereira de Macedo, Édson Gutemberg de Souza, Eduardo de Assis Duarte, Elisa Bittencourt, Elysson Moreira Silva, Eugenio Marcos Soares Cunha, Evânia Leiros de Souza, Fernando César Miranda, Francisco Seixas das Neves, Fred Sizenando Rossiter Pinheiro, George Tarcisio Miranda Rocha, Gilmar Amorim, Guilherme Fulgêncio de Medeiros, Heloiza Henê Marinho, Humberto Conrado Duarte, Ilane Boucinhas, Iloneide Ramos, Ivone da Silva Salsa, Ivonete de Freitas Cadengue, Jesiely Moreira Silva, Joana D’arc Dantas, João Bosco da Silva, João Bôsco de Castro Guerra, João Bosco Paulo, João da Mata Costa, Joao Fernandes de Sousa, Joaquim Oliveira, Jomaria Alloufa, José Luíz, José Querginaldo Bezerra, Josette Lourdes Melo, Júlia Fernandes, Júlio Fernandes Maia Neto, Júlio Mendes, Katarina Camara Martins, Lígia Maria Rodrigues de Melo, Lucio Flavio Moreira, Luiz Amorim Carlos, Luiz Carvalho de Assunção, Luiz Seixas Neves, Magdi Aloufa, Márcio Capriglione, Marco Aurélio Martins de Almeida, Mardone França, Margarida Magalhães,  Maria Angélica Furtado da Cunha, Maria Auxiliadora C Rocha, Maria Auxiliadora G Ribeiro, Maria Bernardete Sousa, Maria Célia Correia Nicolau, Maria Célia Formiga, Maria de Fátima Cirne, Maria de Fátima Crisóstomo, Maria de Fátima Medeiros, Maria do Carmo Lopes de Melo, Maria do Socorro Cabral, Maria do Socorro M. Cabral, Maria Elizabete A. Bulhões, Maria Ferreira da Rocha, Maria Gerlani Porpino Krumenaue, Maria Ines Bigois Rodrigues, Maria Inês Magnata, Maria Tereza Barreto de Oliveira, Maria Vilma P. Souza, Mariluce Oliveira Araujo, Marina Boucinhas, Marleusa Fernandes, Nássaro Nasser, Neide Balbina De Lima Lobão, Neide Maria Ferreira da Rocha, Ney Marques da Fonseca, Nilda Cerqueira, Nilda Maria Teixeira de Cerqueira, Nilma Leão Costa,  Osman Rosso Nelson, Paulo Cesar Formiga, Paulo Roberto Medeiros de Azevedo, Paulo Xavier Trindade, Pedro Hélio G Teixeira, Pedro Hélio Gomes Teixeira, Pedro Maia, Raimunda Amorim Duarte, Renato de Medeiros Rocha, Ricardo Lagreca, Rita Ribeiro, Roosewelt F Soares, Rosalba Timóteo, Rosineide S Brito, Rudá Soares, Sandra Rezende de Andrade, Silvia Fonseca, Silvia Maria Varela de Queiroz,  Tarcísio Palhano, Técia Maranhão, Thérbia Maria de Medeiros Guerra, Valéria Cruz, Vera Amaral, Vicente de Paulo C. de Arruda, Vicente Toscano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Projeto da Extensão do IFRN beneficia pequenos e médios mineradores do estado

Comissão de Educação da CMN convoca secretária para discutir piso salarial dos professores