Últimas histórias

  • Sobre

    Selo Anima Cordel lança 2º episódio da websérie “As Aventuras de Nina & Xilo”

    Diante de pilares como o cordel e a representatividade, “As Aventuras de Nina & Xilo”, lançada em 2021, fez história ao ser a primeira websérie de animação com conteúdo infantil produzida no Rio Grande do Norte. E, para dar continuidade a este importante projeto, o selo Anima Cordel acaba de lançar o 2º episódio da websérie, que já está disponível no canal do YouTube. Confira em https://www.youtube.com/watch?v=9YI9gcKzBDA. Com uma linguagem moderna, acessível e atrativa às novas gerações, a animação acompanha as tendências de consumo de conteúdo digital.

    Neste episódio, “A Língua da Água”, Nina, Xilo e sua família embarcam em uma aventura sobre a importância da água em nossas vidas e destaca ainda a missão do projeto em entreter e educar crianças e adultos através da magia da animação. O lançamento foi realizado no mês que se comemora o Dia da Terra e da Educação, fatores que enfatizam o contexto da temática abordada.

    Criada, produzida e dirigida por Felipe Campos Chaves, produção executiva de Luciano Prates e Tereza Duarte; roteiro de Henrique Fontes, Geórgia Hackradt e Emanuel Diniz; direção Júlio Castro; direção de arte Guga Pixel; direção de animação Nathalia Okimoto e trilha original de Zé Marcos Almeida, “As Aventuras de Nina & Xilo” tem como cenário, aspectos do bairro de Mãe Luiza, situado na zona leste de Natal/RN, no qual as personagens principais interagem com alguns familiares de Nina e a paisagem de sua comunidade, até o momento em que imergem ao universo mágico do cordel. Explorando as riquezas culturais, ambientais e geográficas do RN, desperta no público infantil, o reconhecimento e o desenvolvimento de uma identidade cultural com abordagem de temas socioambientais de maneira lúdica e atrativa para crianças e adultos.

    A websérie é desenvolvida pelo Anima Cordel,    selo de audiovisual animado que através de seus produtos, busca referência e presta reverência a uma das mais importantes manifestações culturais do nordeste brasileiro, a literatura de cordel.  O projeto é apresentado por Neoenergia Cosern e Instituto Neoenergia com patrocínio através da Lei Câmara Cascudo de incentivo à cultura do Governo do Rio Grande do Norte e pelo colégio CEI com patrocínio da Prefeitura do Natal via programa Djalma Maranhão. 

    Representatividade

    elenco da animação é formado por atores e atrizes potiguares com forte representatividade negra, esses,  dão vida às personagens através da dublagem, sendo eles: Alessandra Augusta como Nadeje; Enio Cavalcante como Leonardo Galileu; Kaiony Venâncio como Xilo e Tio Lelêu; Maria Flor Freitas como Nina e, Tony Silva como Vó Zenaide. A produção de elenco é de Marcílio Amorim.

    Siga, curta e compartilhe Nina e Xilo – @ninaexilo e inscreva-se no canal oficial no YouTube https://www.youtube.com/channel/UC-6uvpcy5g72YPlA1UD-YcQ . 

  • Sobre ,

    Caio Padilha Estreia a 2ª temporada do Podcast “Memória da Rabeca Brasileira”

    A série em formato de podcast “Memória da Rabeca Brasileira” chega à sua segunda temporada em 2022, estreando este sábado (30/04/2022). Tal feito só foi possível graças ao patrocínio do projeto “Madeira que Cupim não Rói” em parceria com a Universidade de Illinois nos Estados Unidos. Nesta temporada, serão sete episódios especiais dedicados ao legado do professor Gilmar de Carvalho (em memória) e do fotógrafo Francisco Sousa sobre as rabecas do Ceará.

    O primeiro capítulo da série traz a temática: “Rabecas do Ceará e o legado de Gilmar de Carvalho”, na qual será feito um resgate da obra e a importância que Gilmar tem para a história da rabeca no Brasil; além de ser prestado um tributo a alguns dos rabequeiros pesquisados, tais como: Mestre Bia, João Geminiano, Zé Biro Novo, Luiz Buretama, Antônio Barroso, entre outros.

    Marcando o lançamento do primeiro episódio, Caio também fará uma live neste sábado (30/04) em seu canal no YouTube com a temática “Ana Soares: rabequeiras da tradição no Brasil”, na qual irá conversar com a rabequeira Ana Soares, o professor rabequeiro Fabiano de Cristo e o próprio Francisco Sousa, às 17hs, horário em que o podcast também estreará.

    Os episódios desta temporada vão ao ar mensalmente, sempre no último sábado do mês até outubro de 2022, com depoimentos especiais, exemplos musicais e temas surpreendentes:

    1º Episódio: Rabecas do Ceará e o legado de Gilmar de Carvalho. (30/04/2022)

    2º Episódio: A Rabeca nas Matrizes do Forró.  (28/05/2022)

    3º Episódio: A rabequeira do (ser)tão masculino. (25/06/2022)

    4º Episódio: Luthieria de Rabecas no Ceará.  (30/07/2022)

    5º Episódio: Tirinete de Rabecas: imagem e processo.  (27/08/2022)

    6º Episódio: Rabecas Paulistas no Ceará. (24/09/2022)

    7º Episódio: Patrimônio Vivo das Rabecas em Gilmar de Carvalho. (29/10/2022)

    Um pouco mais sobre os artistas:

    Caio Padilha é cientista social, ator, produtor, músico e instrumentista, envolvido com a Cultura Popular desde sempre. Nascido em família de músicos, desde 2011 ele ministra oficinas de Rabeca para jovens e adultos em diversas instituições dentro e fora do Brasil, já tendo recebido dois Prêmios Funarte pela Iniciativa (2012 e 2017). Em 2012/2013 foi solista com sua Rabeca numa série de apresentações com a Orquestra Sinfônica da UFRN (Parcerias Sinfônicas 100 anos de Gonzagão – gravado pelo SESCTV-SP). Em sua experiência internacional fez shows com a Tocandira Band no Oriente Médio (Doha/Qatar -2013), apresentações solo na Europa: França, Suíça e Áustria, além de uma turnê pelos Estados Unidos em 2015, 2016 e 2017.  Tem uma trilogia de CDs gravados: Arrivals: Rabecas e Arribaçãs; Overland: Violas e Veredas; e Revivals: Acordeons e Candeeiros. Com o selo Kuarup – SP (2019) lançou também um disco de Rabeca para crianças intitulado Um Sonho de Rabeca no Reino da Bicharada – único do gênero no Brasil. Em 2018, fez a direção musical do espetáculo Chuva de Bala no país de Mossoró, e recebeu o Prêmio Grão de Música Brasileira. 

    Fabiano de Cristo é músico, arte educador e educador musical, graduado em Música pela Universidade Federal do Cariri, Especialista em Cultura Popular, Arte e Educação do Campo também pela UFCA e mestrando em Educação pela Universidade Regional do Cariri. Participa das tradições da cultura cearense como brincante e músico desde 2003 com forte vínculo junto às Bandas Cabaçais, Rabequeiros, grupos de Coco, Maracatu e Reisados fazendo parte atualmente do Coral dos Mestres de Reisado de Congo do Cariri Cearense como músico e diretor musical. É criador do grupo Fulô da Aurora, onde atua como cantor, compositor e instrumentista (violão, rabeca, pífano e percussão).

    Francisco Sousa é fotógrafo e bacharel em Filosofia. Nasceu em Santarém (PA) em 1973 e veio para Fortaleza em 1999.  Autor do livro “Ceará escrito a luz”, e coautor de vários livros com o professor Gilmar de Carvalho, seu companheiro de vida e estrada. Francisco já expôs seu trabalho fotográfico na cidade de Fortaleza diversas vezes (Museu do Ceará, Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará-MAUC, Espaço Multiuso do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, dentre outros); além de também já ter exposto em São Paulo, na Caixa Cultural da Praça da Sé.

    Apresentada ao Brasil pelo professor e pesquisador Gilmar de Carvalho e pelo fotógrafo Francisco Sousa, Ana Soares é rabequeira autodidata que mora na cidade de Umari, região Centro-Sul do estado do Ceará, onde mantém a tradição de tocar o instrumento herdado de seu próprio pai, desde os 15 anos de idade.

    Serviço:

    O quê? Estreia da segunda temporada da *série em podcast* “Memórias da Rabeca Brasileira” e Live de lançamento da mesma.

    Onde? Canal do Youtube de Caio Padilha (https://www.youtube.com/canaldepadilha) e demais plataformas de podcast (https://soundcloud.com/podcastcaiopadilha).

    Quando? 30 de abril, às 17h

    *Todos os episódios serão disponibilizados de forma gratuita*

    Redes:

    Instagram: @fotosdepadilha

    Facebook: fb.com/paginadepadilha

    Site: caiopadilha.com

    Assista a PRIMEIRA temporada do projeto no Youtube: primeira temporada

  • Sobre

    Muído Potiguar visita os bairros Cidade Alta e Neópolis neste mês de março

    O programa Muído Potiguar vem trazendo a história dos bairros de Natal de uma forma divertida e alegre e, especialmente, fortalecendo a identidade e a memória dos moradores de cada bairro visitado.  Neste mês de março o programa terá 2 episódios, nos dias 15 e 30, com exibição no canal oficial do projeto no YouTube e no canal 100 da Cabo Telecom.

    Protagonizado pela artista e influenciadora digital Fernanda Guimarães, o Muído vem alcançando milhares de visualizações no seu canal e provocando interações do público natalense em suas redes sociais, através da identificação com cada história contada no programa.

    O primeiro programa do mês visita a Cidade Alta, bairro que traz muito da história da capital, em locais como a praça André de Albuquerque – marco zero de Natal- a Igreja do Galo, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e a Pinacoteca; além de pontos culturais como o Beco da Lama e que são ponto de encontros tradicionais como o Bardallos e o Bar da Meladinha.

    O episódio traz um bate-papo com Frak Aleixo sobre o movimento cluber na cena noturna do centro da cidade; o quadro recebidos pagos traz a tradição dos sebos, que levam a cultura e a literatura para o grande público de forma mais acessível; e traz ainda um bate-papo com Lula Belmont, do Bardallos, um dos grandes fomentadores da cultura potiguar.

    E no dia 30 o Muído é no bairro de Neópolis, bairro que teve grande desenvolvimento nos últimos 20 anos. O episódio traz uma visita a Paróquia de Nossa Senhora Aparecida e um bate-papo com o Padre Nunes sobre a sua atuação no bairro e as tradicionais missas de cura; traz também uma visita ao Tecesol – Território de Educação, Cultura e Economia Solidária – que integra a Escola Cooperativa e a Associação Grupo de Teatro Facetas, Mutretas e outras Histórias, a Casa de Zoé, a Nação Zamberacatu, o Caboré Audiovisual, o Grupo Estação e tantas outras atividades que são importantes pra cena cultural da cidade; e ainda uma conversa descontraída com Vanessa e Shirley, sócias fundadoras do LaLuna, sobre a história do bar e sobre a importância desses espaços abertamente LGBTQIAP+ para a comunidade como um todo.

    O programa Muído Potiguar tem realização da HD Produções e conta com patrocínio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Cabo Telecom e Grupo Conexão.

    SERVIÇO

    MUÍDO POTIGUAR

    EPISÓDIO  11 – Cidade Alta

    Dia 15 de março, terça-feira, às 13h

    EPISÓDIO 12 – Neópolis

    Dia 30 de março, quarta-feira, às 13h

    Exibição: Canal 100 da Cabo Telecom e no canal oficial do projeto no YouTube

  • Sobre

    Filme espetáculo “Estrábica” estreia nesta terça (22) às 20h no Youtube

    A atriz e dramaturga Cláudia Magalhães estreia nesta terça-feira, 22, no Youtube da House Cultura , o filme Estrábica.

    Com roteiro e direção de João Marcelino, o filme espetáculo Estrábica conta a história de uma mulher solitária com dificuldade para se adaptar a uma sociedade onde o patriarcado é o alicerce, o índice de feminicídio é altíssimo e o desrespeito pela vida impera. Motivada por uma depressão profunda e por uma ansiedade descontrolada, ela cria personagens excêntricos que a ajudam a sobreviver, mesmo que de forma disfuncional, alimentando a sua “loucura sã”.

    Acordada com suas fantasias ou dormindo e enfrentando a realidade, Estrábica nos convida a refletir, com bom humor, esse momento caótico que estamos enfrentando.

    A live de lançamento será nesta terça às 20h com o diretor e roteirista João Marcelino @jomamarcelino.

    Na quarta-feira, 23, também às 20h, o bate-papo será com a atriz Cláudia Magalhães.

    O filme espetáculo Estrábica foi contemplado no Edital de Fomento à Cultura Potiguar de 2019, da Fundação José Augusto. Governo do RN e será retirado do ar após a exibição.

    Roteiro e Direção: @jomamarcelino
    Produção Executiva: @guga_wanderley
    Produção e Assistência de Direção: @luoest
    Direção de Fotografia: Júlio Schwantz e @rogerioferraz74
    Direção de Arte: @jomamarcelino
    Montagem: Júlio Schwantz
    Cenografia: @jomamarcelino e @rogerioferraz74
    Iluminação: @rogerioferraz74
    Contra-regras: @juca.santos.5494 e @flavioatorreao
    Maquiagem: @jaiarafontes
    Design Gráfico: Vítor Bezerra
    Desenho de Som, som direto e trilha sonora: @paolobsa
    Colorista: Júlio Schwantz
    Administrativo-Financeiro: @jeane_ataide
    Consultoria e Desenho de Projeto Edital: @anapaula___medeiros


  • Sobre ,

    Armando Lôbo apresenta o”Veneno Bento” do sertão nordestino nesta quinta (17) no Youtube

    O compositor e multiartista pernambucano Armando Lôbo chega ao seu quinto álbum solo desafiando, mais uma vez, ortodoxias de gêneros e estilos musicais. “Veneno Bento” faz uma leitura simbólica e inovadora do sertão nordestino, sua força solar, a religiosidade, a música dos cantadores, das feiras, a vastidão dos espaços, a abertura para o devir através da música. As canções usam estilos regionais como aboio, xote, baião e outros, sempre de maneira ousada. O show de lançamento será nesta quinta-feira, dia 17, em forma de live, a ser transmitida, às 20h, em seu canal do Youtube (bit.ly/venenoshow).

    O álbum é dividido em duas playlists, uma popular arrojada e outra com música contemporânea de concerto. A formação instrumental das faixas é bastante inusitada, buscando um espectro sonoro agressivo e brilhante, como um excesso solar. Na parte popular do álbum, as letras das canções escapam da obviedade, usando uma abordagem por vezes filosófica e expressionista, de alta voltagem poética. O material musical de influência popular não é usado de forma previsível em nenhum arranjo, pois a técnica composicional de Armando é bastante diversificada em nuances polifônicas e timbrísticas. A playlist erudita fecha o álbum com 4 peças de formação contrastante, todas fazendo referência ao universo nordestino.

    “Veneno Bento” também está sendo lançado em formato audiovisual, com cenas colhidas na zona rural de Bezerros, no agreste pernambucano, propondo um desfile de arquétipos, tendo como maior ponto de referência a figura humana e estética do vaqueiro. O álbum audiovisual tem um formato inédito contendo videoclipes, lyric videos, vídeo-partituras e uma obra “eletrovisual” (“Alquimia da Zabumba”), cuja edição videográfica segue o modelo especulativo da composição eletroacústica.

    Na playlist popular, o eletrobaião “Sertão Satori” tem letra que combina simbolismo religioso hindu com uma imagética sertaneja, enquanto “Fera do Sol” traz uma harmonia densa sobre pulsação em compasso 7×8. A letra, um poema de tons expressionistas, é entoada por Luiza Fittipaldi e Armando LôboA faixa-título “Veneno Bento” é uma parceria entre o compositor mineiro Rodrigo Zaidan e Armando Lôbo, marcada por uma harmonia dissonante e letra que revela o sentido poético do álbum. Clássico do repertório de Luiz Gonzaga, “A Morte do Vaqueiro” ganha versão novíssima e inusitada, com backing vocal de Sue Ramos inspirado no aboio. Já “Abismo”, Armando apresenta um “aboio progressivo psicodélico”, com letra escatológica que é um soneto inspirado na poesia de Ariano Suassuna. Xote de harmonia sofisticada e letra metrificada à moda dos repentistas, “Disparo” tem a participação de Surama Ramos que divide os vocais principais com Armando. Canção do escritor e compositor paulista Luciano Garcez, “Incelenças” tem letra que reflete em plano sertanejo o amor cortês medieval.

    A playlist de caráter mais erudito abre com “Aboio e Disparada”, dividida em dois momentos: Aboio homenageia a estética micropolifônica do compositor húngaro György Ligeti; e Disparada, com influências de Villa-Lobos e do compositor russo Alfred Schnittke. Composição imagética para flauta, acordeom, violino e violoncelo, “Tocaia” propõe uma alucinação sonora dos últimos momentos de Lampião e seu bando. Inspirada na música dos ternos de pífanos, a peça “Hubris Cabocla” foi criada para uma combinação instrumental bastante inédita: 2 pífanos, 2 violoncelos, trombone baixo e percussão. Já “Alquimia da Zabumba” é uma peça eletroacústica que usa apenas sons extraídos de uma zabumba com baquetas, mãos e bolinhas de gude.

    Assistir ao show de lançamento – Dia 17/02, às 20hbit.ly/venenoshow 

    Assistir ao álbum VENENO BENTO – https://youtu.be/fcWjEZg92EY 

    FICHA TÉCNICA
    Produção musical e direção artística: Armando Lôbo
    Direção de Produção: Manassés Bispo
    Produção executiva: Liliane Vieira
    Arte gráfica: Victor Luiz
    Gravado no Estúdio Carranca por Vinícius Aquino e Marco Melo

    O álbum audiovisual foi dirigido e editado por Armando Lôbo. Participação de
    Marcela Rabelo e Isaac Souza (artistas da dança). Filmado pelo Estúdio Casona (Cristiano Bivar).

  • Sobre ,

    Funarte relança vídeos do Projeto Pixinguinha com acessibilidade

    A Fundação Nacional de Artes (Funarte) promove nesta quinta-feira (10) o relançamento gratuito, e com recursos de acessibilidade, de documentários do Projeto Pixinguinha, em seu canal no YouTube.

    Publicados com recursos de acessibilidade – Libras, closed caption (legenda oculta) e audiodescrição -, os vídeos documentam a trajetória do programa que celebrou a memória do músico Alfredo da Rocha Vianna Filho, conhecido como Pixinguinha, e que circulou pelo Brasil em diferentes fases, de 1977 a 2017.

    O relançamento ocorre no mês em que se completam 49 anos da morte de Pixinguinha, aos 75 anos de idade, no dia 17 de fevereiro de 1973. O músico faria 125 anos em 4 de maio deste ano. No conjunto de vídeos, o público poderá conferir também, gratuitamente, filme em comemoração aos 120 anos do compositor, divulgado em 2017, com depoimentos dos letristas Hermínio Bello de Carvalho e Paulo César Pinheiro, do fotógrafo Walter Firmo e do arranjador Paulo Aragão, informou a Funarte.

    A publicação dos vídeos do Projeto Pixinguinha é uma das ações da Funarte de divulgação do material que compõe o Brasil Memória das Artes (BMA) no Youtube. O projeto de digitalização do acervo para acesso virtual começou no início dos anos 2000, com itens variados da coleção da Funarte, como fotografias, arquivos sonoros, textos e documentos, que fazem parte da memória das artes cênicas, das artes plásticas e da música brasileira. Paulo César Soares destacou a importância do Projeto Pixinguinha pela “robustez de gêneros musicais e de músicos participantes”.

    Projeto 

    Em 1977, o produtor, animador cultural, poeta e pesquisador musical Hermínio Bello de Carvalho idealizou o Projeto Pixinguinha. A iniciativa, da Funarte, tornou-se importante capítulo da trajetória da música popular brasileira. O projeto previa a circulação de intérpretes, músicos e toda a equipe técnica pelo país. A ação funcionou regularmente de 1977 a 1989 e teve dois períodos de suspensão, de 1990 a 1992 e de 1997 a 2002.

    A retomada ocorreu entre 2004 e 2007, com as duas últimas versões em 2009 e em 2017. Cantores e compositores famosos passaram pelo projeto, entre eles Cartola, Alceu Valença, Ademilde Fonseca, Edu Lobo, Clementina de Jesus e João Bosco.

    Um dos vídeos disponibilizados agora no YouTube com recursos de acessibilidade é a primeira audição do Projeto Pixinguinha, na qual gravações raras de 1977 funcionam como ponto de partida para uma conversa entre especialistas. O vídeo Projeto Pixinguinha: segunda parte da audição comentada mostra, também com a participação de especialistas, as atuações de Jards Macalé, Carmem Costa, Lúcio Alves e Cartola.

    Agência Brasil

  • Sobre ,

    Sidarta Ribeiro e Fabiane Secches debatem em live se “Ainda conseguimos sonhar?”

    Como a pandemia atual afetou nossos sonhos? Que perspectivas de futuro e utopias ainda podemos construir, depois de tudo o que vivemos nesses quase dois anos de isolamento social, barreiras sanitárias e incertezas sobre o que nos espera em 2022? Como reaprender a sonhar? Essas são as questões centrais da live da Revista Humboldt, intitulada Ainda conseguimos sonhar?, com o neurocientista Sidarta Ribeiro.

    Na ocasião, o neurocientista analisa os impactos da crise sanitária em nossa capacidade de sonhar individual e coletivamente. O encontro online acontece em 10 de fevereiro, às 19h, pelo canal do Goethe-Institut São Paulo, no YouTube, e integra a série Humboldt Talks, realizada pela Revista Humboldt para debater temas essenciais da contemporaneidade. A moderadora do evento será a psicanalista e crítica literária Fabiane Secches. 

    Sidarta Ribeiro é neurocientista, biólogo, professor e conhecido por diversas pesquisas no campo dos sonhos, sono e memória. É autor da obra O oráculo da noite: a história da ciência do sonho, publicada pela editora Companhia das Letras, e vice-diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (ICe/UFRN). Fabiane Secches é psicanalista, tradutora e crítica literária. Escreve para Quatro Cinco UmFolha de S. PauloCultEstado de São Paulo, entre outros. É também autora de Elena Ferrante: uma longa experiência de ausência, da Editora Claraboia, ensaio em que analisa a obra da escritora italiana por meio da crítica literária e da psicanálise.

    O encontro é uma parceria entre Instituto do Cérebro, Companhia das Letras e Revista Cult. Para assistir à live, basta acessar o canal no dia e horário do evento. Para receber notificações quando o evento estiver prestes a começar, é só ativar o lembrete na página.

  • Sobre

    Muído Potiguar chega a Felipe Camarão neste domingo (30)

    Neste domingo (30) o Muído Potiguar chega ao bairro de Felipe Camarão, um dos maiores bairros da zona oeste da capital, com as histórias do bairro e muita resenha!

    Quem conhece Felipe Camarão certamente já ouvir falar do Petyscão e da Banda Grafith, e a banda faz uma participação mais do que especial neste episódio contando e cantando suas histórias. Tem ainda um bate-papo super legal com a equipe do projeto “Conexão Felipe Camarão” – que existe desde 2002 e conecta os jovens do bairro com a cultura potiguar.

    O programa Muído Potiguar tem realização da HD Produções e conta com patrocínio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Cabo Telecom e Grupo Conexão.

    SERVIÇO

    MUÍDO POTIGUAR

    EPISÓDIO 8 – Felipe Camarão

    Dia 30 de janeiro, domingo, às 13h

    Exibição: Canal 100 da Cabo Telecom e no canal oficial do projeto no YouTube

    Mais informações: @muidopotiguar

    Realização: HD Produções

    Patrocínio: Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Cabo Telecom e Grupo Conexão.

  • Sobre

    Jerimum Jazz promove lives musicais nos dias 23 e 30 de dezembro

    A Big Band Jerimum Jazz realizará duas lives no mês de dezembro. Uma será realizada nesta quinta-feira, 23, e a próxima acontece no dia 30 de dezembro. As lives serão transmitidas pelo canal do YouTube Auditório Onofre Lopes Digital.

    O primeiro concerto acontecerá às 20h. Participarão da apresentação os grupos Potibones, grupo de trombones da EMUFRN; Trompiguares, grupo de trompas; Gueto, grupo de eufônios e tubas; Sexteto Potiguar, grupo de metais e percussão, e a Big Band Jerimum Jazz, com a regência do professor Ranilson Farias e coordenação da professora Germanna Cunha. O repertório será bastante variado, com ênfase em arranjos de músicas natalinas.

    Já a segunda apresentação será o Concerto Especial de Ano Novo, também realizado às 20h. A Big Band Jerimum Jazz apresentará um repertório variado, com clássicos do jazz, como também músicas de compositores regionais. 

  • Sobre ,

    UFRN promove Mostra Virtual de Profissões 2021

    A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), promove na próxima quarta-feira, 8, a Mostra Virtual de Profissões UFRN 2021. A live de abertura acontece das 16h às 17h30, transmitida no canal da UFRN no YouTube. Este ano, em sua 13ª edição, a Mostra continua em formato remoto. 

    As coordenações dos 111 cursos de graduação da Instituição com oferta regular em Natal e no interior, bem como docentes e discentes, gravaram vídeos onde apresentam os cursos e as possibilidades de empregabilidade nas várias áreas de formação ofertadas pela UFRN. Os vídeos já estão disponíveis no canal da UFRN no YouTube. O evento está sendo realizado por meio de uma parceria entre Prograd, Secretaria de Educação a Distância (Sedis) e a Superintendência de Comunicação (Comunica).

    A Mostra de Profissões é um evento anual e já consolidado no calendário da UFRN. A ação promove a interação entre estudantes do ensino médio, professores e alunos da graduação, profissionais atuantes no mercado e demais interessados. 

    O objetivo é esclarecer sobre os cursos de graduação baseados no conhecimento do perfil profissional de cada área de formação e as possibilidades de profissionalização a estes vinculadas. Possibilitando ao estudante fazer uma escolha mais consciente e segura, de modo a minimizar as insatisfações relativas à profissionalização precoce.

  • Sobre

    Último episódio da Roda Potiguar de Forró vai ao ar hoje (25) com show gravado no Teatro Riachuelo

    Estreia nesta quinta-feira, dia 25, no Youtube, às 20h, o último episódio da segunda temporada da websérie Roda Potiguar de Forró. Intitulado “A Roda”, o quarto episódio da série apresenta um show musical gravado no Teatro Riachuelo. O projeto é idealizado pela cantora e compositora Tanda Macêdo em parceria com Carito Cavalcanti (Praieira Filmes), que assina direção e roteiro.

    O show foi dirigido por Jubileu Filho com um repertório especial que traz 11 músicas, em sua maior parte de compositores potiguares. Além de Tanda, A Roda conta com a participação de Khrystal, Lulinha Alencar, Juliana Linhares, Zé Hilton do Acordeon, Walkyria Santos e Mestrinho. 

    Durante o show, Tanda canta sozinha e com os convidados, mas também há espaço para um dueto de sanfonas de Lulinha Alencar e Mestrinho, que apresentam “Cutuque o fole”. Outro destaque vai para a participação de Zé Hilton, que assume, pela primeira vez, o vocal de um de seus sucessos “Nossa História”, já muito conhecida pelas gravações da banda Aviões do Forró e Wesley Safadão. 

    Integram a banda base do show, Jubileu Filho, Zé Hilton do Acordeon, Lipe Guedes, Erick Firmino, Darlan Marley, Ninho Brasil e Albanete.

    Formatado para a web, a primeira parte da websérie foi gravada no Museu do Vaqueiro, em São José do Mipibu, com a participação de diferentes personagens de destaque no cenário musical do estado e do país.
     
    Já estão disponíveis no Youtube os dois primeiros episódios com o  tema “Mulheres no Forró – Um Nordeste Revisto e Ampliado”, que reúne Tanda Macêdo num bate-papo com Juliana Linhares, Khrystal e Ângela Castro, e o episódio “Compositores – Histórias e Canções” com Tanda Macêdo, Jubileu Filho, Lulinha Alencar e João Ribeiro, compositor potiguar autor de vários hits gravados por bandas como Aviões, Cavaleiros do Forró e Mastruz com Leite.
     
    Também já foi ao ar “A Dança” que relembra os bons tempos do Forró da Lua e do Forró do Pote, casas de forró potiguares que marcaram gerações com música e dança. Para esse papo, Tanda Macêdo reuniu Marcos Lopes, Zailton Tavares, Fernanda Kalliny e Manoel dos Móveis.
      A Roda Potiguar de Forró é uma idealização do Quintal de Tanda e conta com o patrocínio da Prefeitura do Natal, Lei Djalma Maranhão, Unimed Natal, Arena das Dunas, Hospital dos Olhos do RN, Casa de Saúde São Lucas, Sebrae RN e Governo do RN.

    SERVIÇO

    WEBSÉRIE RODA POTIGUAR DE FORRÓ –  SEGUNDA TEMPORADA

    Episódio 1

    Mulheres no Forró – Um Nordeste Revisto e Ampliado

    Com Tanda Macêdo, Juliana Linhares, Khrystal e Ângela Castro

    Episódio 2

    Compositores – Histórias e Canções

    Com Tanda Macêdo, Jubileu Filho, Lulinha Alencar e João Ribeiro

    Episódio 3

    A Dança

    Com Tanda Macêdo, Marcos Lopes, Zailton Tavares, Fernanda Kalliny e Manoel dos Móveis

    Episódio 4 | 25 de novembro |  20h

    A Roda

    Com Tanda Macêdo, Khrystal, Lulinha Alencar, Mestrinho, Walkyria Santos, Juliana Linhares e Zé Hilton do Acordeon

    youtube.com/tandamacedo

  • Sobre

    Coletivo de criação estreia videodança “Querendo… um novo olhar”

    Estreia nesta segunda, dia 22, às 20h, no Youtube, a videodança “Querendo… um novo olhar” do grupo Entre Nós Coletivo de Criação. Após três anos da construção do espetáculo Querendo, montado para a apresentação no palco, o Coletivo agora experimenta nova linguagem, trazendo uma releitura do trabalho para o audiovisual. A obra fica disponível na internet até o dia 28. 

    Com coreografia de Henrique Rodovalho e trilha sonora original de Danilo Guanais, a obra, dançada em trio, evidencia e questiona padrões de comportamento social. Relações amorosas conflitantes, abusos e empoderamento feminino são temáticas que permeiam a videodança “Querendo… um novo olhar”.

    O bailarino Thazio Menezes afirma que foi um processo de adaptação e reinvenção dos espaços de atuação para a proposta da videodança. “A relação entre o elenco e os espaços cênicos não habituais deram um novo significado à obra”, disse. Fazem parte do elenco ainda João Alexandre Lima e Thaíse Galvão.

    A direção de imagem foi feita pelo pesquisador e artista da videodança André Rosa. Para ele, esse processo criativo abre espaço para a “construção de novas poéticas com a câmera, com o movimento, potencializando a dramaturgia da obra”.

    “Querendo…um novo olhar” conta com o patrocínio do Governo do Estado do RN, Fundação José Augusto, SEBRAE RN e Rio Center e apoio da Escola de Dança do TAM, Fundação Capitania das Artes e Solar João Galvão. A realização é de Diana Fontes Direção e Produção Cultural.

    SERVIÇO
    Temporada online da videodança “Querendo… um novo olhar”
    De 22 a 28 de Novembro
    Canal do Youtube do Entre Nós Coletivo de Criação
    TEASER: https://youtu.be/xIKE0vrRM-A

Carregar...
Congratulations. You've reached the end of the internet.