Últimas histórias

  • Sobre ,

    Caio Padilha Estreia a 2ª temporada do Podcast “Memória da Rabeca Brasileira”

    A série em formato de podcast “Memória da Rabeca Brasileira” chega à sua segunda temporada em 2022, estreando este sábado (30/04/2022). Tal feito só foi possível graças ao patrocínio do projeto “Madeira que Cupim não Rói” em parceria com a Universidade de Illinois nos Estados Unidos. Nesta temporada, serão sete episódios especiais dedicados ao legado do professor Gilmar de Carvalho (em memória) e do fotógrafo Francisco Sousa sobre as rabecas do Ceará.

    O primeiro capítulo da série traz a temática: “Rabecas do Ceará e o legado de Gilmar de Carvalho”, na qual será feito um resgate da obra e a importância que Gilmar tem para a história da rabeca no Brasil; além de ser prestado um tributo a alguns dos rabequeiros pesquisados, tais como: Mestre Bia, João Geminiano, Zé Biro Novo, Luiz Buretama, Antônio Barroso, entre outros.

    Marcando o lançamento do primeiro episódio, Caio também fará uma live neste sábado (30/04) em seu canal no YouTube com a temática “Ana Soares: rabequeiras da tradição no Brasil”, na qual irá conversar com a rabequeira Ana Soares, o professor rabequeiro Fabiano de Cristo e o próprio Francisco Sousa, às 17hs, horário em que o podcast também estreará.

    Os episódios desta temporada vão ao ar mensalmente, sempre no último sábado do mês até outubro de 2022, com depoimentos especiais, exemplos musicais e temas surpreendentes:

    1º Episódio: Rabecas do Ceará e o legado de Gilmar de Carvalho. (30/04/2022)

    2º Episódio: A Rabeca nas Matrizes do Forró.  (28/05/2022)

    3º Episódio: A rabequeira do (ser)tão masculino. (25/06/2022)

    4º Episódio: Luthieria de Rabecas no Ceará.  (30/07/2022)

    5º Episódio: Tirinete de Rabecas: imagem e processo.  (27/08/2022)

    6º Episódio: Rabecas Paulistas no Ceará. (24/09/2022)

    7º Episódio: Patrimônio Vivo das Rabecas em Gilmar de Carvalho. (29/10/2022)

    Um pouco mais sobre os artistas:

    Caio Padilha é cientista social, ator, produtor, músico e instrumentista, envolvido com a Cultura Popular desde sempre. Nascido em família de músicos, desde 2011 ele ministra oficinas de Rabeca para jovens e adultos em diversas instituições dentro e fora do Brasil, já tendo recebido dois Prêmios Funarte pela Iniciativa (2012 e 2017). Em 2012/2013 foi solista com sua Rabeca numa série de apresentações com a Orquestra Sinfônica da UFRN (Parcerias Sinfônicas 100 anos de Gonzagão – gravado pelo SESCTV-SP). Em sua experiência internacional fez shows com a Tocandira Band no Oriente Médio (Doha/Qatar -2013), apresentações solo na Europa: França, Suíça e Áustria, além de uma turnê pelos Estados Unidos em 2015, 2016 e 2017.  Tem uma trilogia de CDs gravados: Arrivals: Rabecas e Arribaçãs; Overland: Violas e Veredas; e Revivals: Acordeons e Candeeiros. Com o selo Kuarup – SP (2019) lançou também um disco de Rabeca para crianças intitulado Um Sonho de Rabeca no Reino da Bicharada – único do gênero no Brasil. Em 2018, fez a direção musical do espetáculo Chuva de Bala no país de Mossoró, e recebeu o Prêmio Grão de Música Brasileira. 

    Fabiano de Cristo é músico, arte educador e educador musical, graduado em Música pela Universidade Federal do Cariri, Especialista em Cultura Popular, Arte e Educação do Campo também pela UFCA e mestrando em Educação pela Universidade Regional do Cariri. Participa das tradições da cultura cearense como brincante e músico desde 2003 com forte vínculo junto às Bandas Cabaçais, Rabequeiros, grupos de Coco, Maracatu e Reisados fazendo parte atualmente do Coral dos Mestres de Reisado de Congo do Cariri Cearense como músico e diretor musical. É criador do grupo Fulô da Aurora, onde atua como cantor, compositor e instrumentista (violão, rabeca, pífano e percussão).

    Francisco Sousa é fotógrafo e bacharel em Filosofia. Nasceu em Santarém (PA) em 1973 e veio para Fortaleza em 1999.  Autor do livro “Ceará escrito a luz”, e coautor de vários livros com o professor Gilmar de Carvalho, seu companheiro de vida e estrada. Francisco já expôs seu trabalho fotográfico na cidade de Fortaleza diversas vezes (Museu do Ceará, Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará-MAUC, Espaço Multiuso do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, dentre outros); além de também já ter exposto em São Paulo, na Caixa Cultural da Praça da Sé.

    Apresentada ao Brasil pelo professor e pesquisador Gilmar de Carvalho e pelo fotógrafo Francisco Sousa, Ana Soares é rabequeira autodidata que mora na cidade de Umari, região Centro-Sul do estado do Ceará, onde mantém a tradição de tocar o instrumento herdado de seu próprio pai, desde os 15 anos de idade.

    Serviço:

    O quê? Estreia da segunda temporada da *série em podcast* “Memórias da Rabeca Brasileira” e Live de lançamento da mesma.

    Onde? Canal do Youtube de Caio Padilha (https://www.youtube.com/canaldepadilha) e demais plataformas de podcast (https://soundcloud.com/podcastcaiopadilha).

    Quando? 30 de abril, às 17h

    *Todos os episódios serão disponibilizados de forma gratuita*

    Redes:

    Instagram: @fotosdepadilha

    Facebook: fb.com/paginadepadilha

    Site: caiopadilha.com

    Assista a PRIMEIRA temporada do projeto no Youtube: primeira temporada

  • Sobre , ,

    “Meu Seridó” chega ao Teatro Riachuelo no mês de julho

    Você conhece o Seridó? O espetáculo teatral “Meu Seridó” resolveu trazer o sertão do Rio Grande do Norte até você, em uma crônica leve e divertida. Com produção da Jorge Elali Produções, o consagrado espetáculo da produtora Casa de Zoé chega ao palco do Teatro Riachuelo no dia 01 de julho.

    “Meu Seridó” nasceu do desejo da atriz Titina Medeiros de investigar e versar seu lugar de origem, a região do Seridó, no sertão do Rio Grande do Norte. No início era um espetáculo solo, possível de caber numa mala e se apresentar em alpendres e terreiros de comunidades rurais. Com a chegada do dramaturgo Filipe Miguez e do diretor César Ferrário o espetáculo foi mudando de proposta e o que era solo passou a ser um espetáculo de 05 atores. Foram 09 meses de montagem, 36 profissionais envolvidos e mais de 70 apresentações, desde a estreia em 2017.

    O espetáculo vai lhe proporcionar um passeio imaginário e delirante por este lugar arcaico e mítico. Um território nostálgico de arengas e amores. Em apenas uma hora, dez mil anos passarão diante de seus olhos. Universal ao falar da própria aldeia, Meu Seridó versa, acima de tudo, sobre o mais atual (e eterno) dos temas. Trata da relação do Homem com a Terra – que neste começo de milênio chega a um grave impasse. Tudo, é claro, com muito humor, música e boas doses de reflexão.

    O projeto Palco Natal, tem o patrocínio da Prefeitura do Natal, através da Lei Djalma Maranhão, e conta com o incentivo da Arena das Dunas.

    SERVIÇO

    Projeto Palco Natal – Meu Seridó

    Sexta, 01 julho, às 21h

    Teatro Riachuelo (Av. Bernardo Vieira, 3775 / Natal – RN)www.teatroriachuelonatal.com.br

    Duração:  70 minutos

    Classificação: 12 anos

    CANAIS DE VENDAS OFICIAIS:
    Bilheteria do Teatro: Shopping Midway Mall – Av. Bernardo Vieira 3775 – piso L3 (terça a sábado, das 14h às 20h).

    Ingressos a partir de R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia-entrada)

    Realização: Jorge Elali Produções

    Ficha Técnica – Meu Seridó

    Direção: César Ferrario
    Dramaturgia: Filipe Miguez
    Elenco: Titina Medeiros, Nara Kelly, Caio Padilha, Marcílio Amorim e Igor Fortunato
    Direção de arte: João Marcelino
    Direção musical: Caio Padilha
    Pesquisadora: Leusa Araújo
    Design de luz: Ronaldo Costa
    Cenotécnico: Rogério Ferraz
    Produção executiva: Arlindo Bezerra
    Operação de luz: Janielson Silva e Ronaldo Costa
    Operação de som: César Ferrario
    Técnico de montagem: Sandro Paixão

    Foto: Brunno Martins